Alimentar a luta, cultivar a arte

Compartilhe
Compartilhe
Share On Google Plus
Compartilhe
Contate-nos

Alimentar a luta, cultivar a arte

MST

Circuito Mineiro de Arte e Cultura da Reforma Agrária passa por 8 cidades de Minas Gerais

Amélia Gomes |
Na programação, shows, teatro, exposições fotográficas, cortejos, folia de reis, danças e muito mais
Gerardo Gamarra

Com o objetivo de promover a produção orgânica, a reforma agrária e a cultura popular, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) promove um grande circuito que percorre Minas Gerais nos próximos meses. Luana Oliveira, uma das organizadoras, destaca que a proposta surgiu após a experiência do Festival Nacional de Arte e Cultura da Reforma Agrária, que aconteceu em julho do ano passado, em BH.

“O nosso principal objetivo é dialogar com sociedade sobre reforma agrária popular, alimentação saudável, comida sem veneno e sobre um projeto para o campo brasileiro. Uma proposta que não é esta que está aí, que só produz alimento envenenado, que só produz alimento para os animais, para exportação, mas que deixa o nosso povo sem comida”, diz.

O circuito já passou por Governador Valadares, no Vale do Rio Doce e agora está no Norte de Minas, em Montes Claros, onde fica de 7 a 10 de setembro. De lá, segue para outras seis cidades nos quatro cantos do estado.

Muitas atrações

Na programação, shows, teatro, exposições fotográficas, cortejos, folia de reis, danças e muito mais. São esperadas mais de 15 atrações por dia, em todas as cidades. Ao todo, mais de 100 artistas populares estão envolvidos no circuito. “A gente quer mostrar toda a riqueza cultural que há em Minas. Queremos falar de luta ocupando as praças e mostrando, através da arte, o que somos e o que produzimos”, afirma Luana.

Além das atrações culturais, quem passar pelo circuito também pode provar a culinária típica de cada região, produzida com alimentos saudáveis e sem agrotóxicos. Além do Festival Gastronômico, o circuito também conta com uma feira de produtos orgânicos, mudas e artesanatos produzidos pelos trabalhadores sem-terra.

Os organizadores esperam comercializar pelo menos 230 toneladas de alimentos. São esperadas mais de 120 mil pessoas durante os três meses em que acontece o circuito.  
AGENDA:

SETEMBRO
2 e 3 – Governador Valadares
7 a 10 – Montes Claros
22 a 24 – Alfenas
28 a 30 – Juiz de Fora

OUTUBRO
6 a 8 – Belo Horizonte, Serraria Souza Pinto
21 – Inauguração do Armazém do Campo, em Belo Horizonte

NOVEMBRO
11 e 12 – Almenara
17 a 19 – Uberlândia
25 e 26 – Betim
 

https://www.brasildefato.com.br//2017/09/14/alimentar-a-luta-cultivar-a-arte/

Deixe um comentário