Bionatur: Produção de sementes agroecológicas do MST “é resistência”, diz assentado

Bionatur: Produção de sementes agroecológicas do MST “é resistência”, diz assentado

Orgânicos

Cooperativa completa 20 anos; comemoração, no Rio Grande do Sul, será marcada por diversos eventos e oficinas

Juliana Gonçalves |
A experiência com a produção de alimentos não modificados geneticamente e sem veneno começou em 1997, em Candiota (RS)
Leandro Molina

Pioneira na produção de sementes agroecológicas no Brasil e na América Latina, a BioNatur, Rede de Sementes Agroecológicas do MST completou 20 anos de existência. Para comemorar seu legado histórico, será realizado, nos dias 2 e 3 de dezembro, um evento no Assentamento Roça Nova, localizado no município de Candiota, no Rio Grande do Sul.

Durante a comemoração, haverá uma série de oficinas gratuitas abertas ao público. Serão ofertados cursos de certificação orgânica, produção de mudas, compostagem, fitoterapia, defensivos agroecológicos.

Roberta Coimbra, produtora de sementes agroecológicas da Bionatur e membro da direção estadual do MST fala que a iniciativa visa se apresentar como “uma proposta de desenvolvimento agrícola no país que não seja só baseado no veneno e na transgenia como hoje acontece, e sim que temos outras possibilidades buscando a melhoria da qualidade da alimentação do povo brasileiro que começa com a semente”. 

A Rede BioNatur foi fundada em 1997 por 12 famílias assentadas em Candiota e Hulha Negra, ambas no Rio Grande do Sul. Atualmente, a rede conta com 200 famílias associadas, que produzem mais de 100 toneladas ao ano de aproximadamente 200 variedades de sementes entre grãos, hortaliças e adubos verde.

Coimbra considera que as sementes têm um papel importante no combate ao agronegócio e na redução do uso de agrotóxicos: “Ela é o ponto mais ameaçado dentro desse modelo do agronegócio porque é ali que perdemos toda a autonomia. No momento em que os produtores produzem sua própria semente, a gente tem condição de planejar um futuro potente”.

Assentado da reforma agrária, José Venâncio, produtor de sementes agroecológicas e feijão orgânico considera que a rede é um movimento de resistência no campo. Para ele, o projeto “mostra que é possível sim produzir alimentos saudáveis orgânicos sem o uso de tecnologias que vêm na contramão do campo mais destruindo do que construindo”.

Hoje, a produção da BioNatur ocorre em grande quantidade em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul. No futuro, a cooperativa pretende expandir a produção para os estados de Bahia, Espírito Santo, Rio Janeiro e Santa Catarina, além do Distrito Federal.

30 de novembro de 20178:02 PM

{time}

Powered by WPeMatico

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Hits: 0

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário