MTST pede que prefeitura de S. Bernardo defina ocupação como área de interesse social

MTST pede que prefeitura de S. Bernardo defina ocupação como área de interesse social

ABC

Movimento realizou marcha em São Bernardo do Campo; “O que me fez chegar até aqui foi crise e desemprego”, diz militante

Júlia Dolce |
Moradores saíram da ocupação pela manhã e caminharam até Prefeitura
Júlia Dolce

Centenas de famílias da Ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) marcharam, na tarde desta quinta-feira (30), até a Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo, no ABC, na zona metropolitana de São Paulo.

Os sem-teto se concentraram em frente à Prefeitura por cerca de duas horas, enquanto uma comissão de seis pessoas se reunia com secretários e assessores do prefeito, Orlando Morando (PSDB).

O objetivo dos militantes é cobrar um posicionamento sobre o processo de negociação do terreno ocupado na cidade. O local abriga cerca de 7 mil famílias.

Ramon Joelle, da brigada jurídica do MTST, diz que o foco do movimento é que o prefeito defina a área da ocupação como uma zona de interesse social “porque a gente entende que isso, nesse primeiro momento, pode sinalizar uma boa vontade da Prefeitura de garantir o direito de moradia das famílias. Não é algo que precise de uma verba, uma destinação orçamentária”.

No dia 1º de dezembro vai fazer três meses que cerca de 500 famílias ocuparam o terreno de propriedade da empresa MZM Construtora, abandonado há mais de 40 anos e com uma dívida de IPTU de meio milhão de reais. Hoje, mais de 7 mil famílias ocupam a área, formando a maior ocupação do MTST no país.

O movimento exige que o terreno seja destinado à construção de prédios por meio do programa Minha Casa Minha Vida Entidades, na faixa 1, destinada a famílias com renda mensal de até R$ 1.800.

Para isso, o movimento reivindica a desapropriação da área pelo governo do Estado, ou sua compra pela Caixa Econômica Federal.

Entre os moradores da ocupação, muitos perderam seus empregos recentemente ou tiveram aumentos nas contas, não conseguindo mais pagar o aluguel. É o caso da assistente de enfermagem, hoje desempregada, Mônica Clemente, que tem participado da ocupação desde setembro e, em breve, irá se mudar para o acampamento, com seus dois filhos pequenos.

“O que me fez chegar até aqui foi a crise por estar desempregada há um ano. Só meu esposo trabalha, eu moro em dois cômodos. Meu aluguel, com todas as contas é de R$ 750. Nós não queremos nada de graça aqui, queremos pagar o valor que cabe no bolso de cada morador”, ressalta.

Clemente comenta a estigmatização sofrida por integrantes do MTST e conta já ter sofrido preconceito por integrante do movimento: “Muitas vezes, somos vistos pelos moradores de fora como vagabundos, invasores. Isso não é a verdade. Eu gostaria que eles viessem aqui dentro para ver a realidade de cada um que se encontra aqui. É triste andar pelas ruas e ouvir ‘vagabunda’. Trabalhei desde os 13 anos de idade e estou desempregada há um ano. E a crise tem só piorado’.’

Outra moradora da ocupação, a cuidadora de crianças com deficiência, Andreia dos Santos, afirmou, mostrando seu barraco, um dos mais estruturados da ocupação, que já não tem como pagar seu aluguel, e sabe que será demitida em breve por falência da empresa onde trabalha. “Eu estou aqui porque foi uma oportunidade que achei de ter a minha casa. Não conhecia o MTST antes, mas me apaixonei, foi amor à primeira vista, porque o pessoal aqui é muito acolhedor.”

A Ocupação Povo Sem Medo vem recebendo apoio de diversos nomes políticos e culturais. O cantor Caetano Veloso, por exemplo, tentou realizar um show no acampamento, no dia 30 de outubro, mas foi proibido pela Justiça. Na mesma noite, o vereador de São Paulo, Eduardo Suplicy, do PT, dormiu em um dos barracos em apoio ao movimento.

Outras personalidades, como as atrizes Letícia Sabatella, Alinne Moraes e Sônia Braga também já demonstraram seu apoio, visitando a ocupação.

30 de novembro de 20176:17 PM

{time}

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *