Ventos fortes, muita chuva e neve causam transtornos na Europa

Ventos fortes, muita chuva e neve causam transtornos na Europa

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trens

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trensEFE/EPA/David Hecker

A Tempestade Ana chegou ao continente europeu no domingo (10) com muito vento, chuva e neve em Portugal, na Espanha e França. A passagem da tempestade já contabiliza diversos estragos, com feridos, desalojados, dezenas de estradas interditadas, centenas de voos cancelados e árvores caídas.

Segundo o Instituto Português de Mar e Atmosfera (IPMA), a Tempestade Ana se formou no domingo (10) à noroeste da Península Ibérica, numa região que se estende até a Escandinávia. O território continental de Portugal começou a ser afetado de manhã, sendo que o período mais crítico foi registrado durante a tarde e a madrugada de hoje (11), com ventos fortes, precipitação intensa, queda de neve e forte agitação marítima. As fortes rajadas de vento chegaram a 130 quilômetro por hora (km/h) nas terras altas do Norte e Centro até o início da manhã de hoje (11).

Em toda a Europa foram registrados centenas de voos cancelados. Em Calais, na França, um ferry boat encalhou com mais de 300 passageiros a bordo, devido a chuva e rajadas de vento de 120 km/h. Após várias horas de trabalho, quatro rebocadores conseguiram resgatar a embarcação, sem feridos. Na Galícia, região espanhola, os ventos chegaram a 150 km/h. Portugal registrou mais de 3 mil ocorrências (entre milhares de árvores e estruturas diversas caídas).

Após a passagem da Tempestade Ana, que já deixou Portugal e está sobre a França, espera-se a chegada de uma frente polar e o regresso de temperaturas negativas nos três países.

Identificação

A Europa ainda não está acostumada a dar nomes às tempestades, diferente do que já acontece do outro lado do Atlântico. No entanto, a partir do dia 1º de dezembro desse ano, as estações meteorológicas da França, Portugal e Espanha nomearão as tempestades que possam produzir grande impacto para pessoas e bens. O motivo é que a população permanece mais atenta às recomendações de segurança quando a ameaça dos ventos fortes está claramente identificada.

Um comunicado oficial da Agência Estatal de Meteorologia da Espanha (Aemet) informa que o fato de “nomear as tempestades profundas favorece que a comunicação seja mais efetiva diante de um episódio adverso. A tempestade profunda só será nomeada quando se preveja condições que dêem lugar a emissão de alertas de vento de nível laranja ou vermelho em algum dos três países”.

As estações meteorológicas de Portugal, França e Espanha nomearão conjuntamente as tempestades em ordem alfabética. A lista dos nomes, que já foi definida, é Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Felix, Gisele, Hugo, Irene, Jose, Katia, Leo, Marina, Nuno, Olivia, Pierre, Rosa, Samuel, Telma, Vasco, Wiam.

O comunicado explica ainda que a tempestade manterá o mesmo nome ao longo de todo o seu ciclo de vida. Apenas as tempestades do Atlântico serão nomeadas e não as tempestades do Mediterrâneo. Além disso, os avisos associados aos ventos locais ou regionais não serão levados em consideração ao nomear tempestades profundas.

Portugal

Em Portugal, foi registrada a morte de uma mulher, após a queda de uma árvore. Além disso, três pessoas ficaram feridas e três desalojadas, segundo o balanço nacional da Autoridade Nacional da Proteção Civil. Os números podem subir na medida em que haja atualização das informações.

A Tempestade Ana colocou ainda oito distritos em alerta vermelho e provocou a queda de 983 árvores e 270 estruturas, além de 128 inundações e um incêndio. Mais de 30 estradas foram interditadas, sobretudo no norte e no centro do país. As informações são da Agência Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Espanha

A Agência Estatal de Meteorologia da Espanha informou no domingo que a tempestade passaria pelo norte do Mar Cantábrico durante a tarde e a noite de domingo (10), chegando à França na manhã de hoje (11). A passagem da tempestade causou ventos muito fortes, más condições marítimas e chuvas fortes e prolongadas, que afetaram boa parte da península e das Ilhas Baleares. Na região costeira da Andaluzia e do Mediterrâneo foram registradas ondas de até 5 metros.

França

De acordo com jornal francês Le Figaro, 32 províncias estão em alerta laranja para neve, vento e precipitação. Na manhã de hoje (11), ventos fortes sopraram sobre uma parte do oeste da França e fortes chuvas cairam no sudeste. No meio da manhã, 120 mil famílias ficaram privadas de eletricidade por causa da tempestade. Ao meio-dia, os ventos mais fortes estavam presentes na costa da Normandia com rajadas acima de 100 km/h. A tempestade também deixou cerca de 80.000 casas sem eletricidade no Vale do Loire hoje (11), informou o jornal Le Parisien.

Norte da Europa

No norte da Europa as fortes chuvas, ventos e neve também vêm causando estragos. De acordo com o site da britânica BBC, a acumulação de neve pesada causou mais de 350 cancelamentos de voos e atrasos no aeroporto de Schiphol, nos Países Baixos e no aeroporto de Bruxelas. Os viajantes foram avisados para verificar as atualizações de voos antes de sair de casa, em vez de ir para o aeroporto com mau tempo.

No domingo (10), no Reino Unido, milhares de casas ficaram sem eletricidade. Hoje (11), centenas de escolas foram fechadas. As condições das estradas foram descritas como perigosas em muitas áreas.

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trens. Mais de 300 voos foram cancelados no domingo (10) no aeroporto de Frankfurt, o mais movimentado na Alemanha.

 

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trens

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trensEFE/EPA/David Hecker

A Tempestade Ana chegou ao continente europeu no domingo (10) com muito vento, chuva e neve em Portugal, na Espanha e França. A passagem da tempestade já contabiliza diversos estragos, com feridos, desalojados, dezenas de estradas interditadas, centenas de voos cancelados e árvores caídas.

Segundo o Instituto Português de Mar e Atmosfera (IPMA), a Tempestade Ana se formou no domingo (10) à noroeste da Península Ibérica, numa região que se estende até a Escandinávia. O território continental de Portugal começou a ser afetado de manhã, sendo que o período mais crítico foi registrado durante a tarde e a madrugada de hoje (11), com ventos fortes, precipitação intensa, queda de neve e forte agitação marítima. As fortes rajadas de vento chegaram a 130 quilômetro por hora (km/h) nas terras altas do Norte e Centro até o início da manhã de hoje (11).

Em toda a Europa foram registrados centenas de voos cancelados. Em Calais, na França, um ferry boat encalhou com mais de 300 passageiros a bordo, devido a chuva e rajadas de vento de 120 km/h. Após várias horas de trabalho, quatro rebocadores conseguiram resgatar a embarcação, sem feridos. Na Galícia, região espanhola, os ventos chegaram a 150 km/h. Portugal registrou mais de 3 mil ocorrências (entre milhares de árvores e estruturas diversas caídas).

Após a passagem da Tempestade Ana, que já deixou Portugal e está sobre a França, espera-se a chegada de uma frente polar e o regresso de temperaturas negativas nos três países.

Identificação

A Europa ainda não está acostumada a dar nomes às tempestades, diferente do que já acontece do outro lado do Atlântico. No entanto, a partir do dia 1º de dezembro desse ano, as estações meteorológicas da França, Portugal e Espanha nomearão as tempestades que possam produzir grande impacto para pessoas e bens. O motivo é que a população permanece mais atenta às recomendações de segurança quando a ameaça dos ventos fortes está claramente identificada.

Um comunicado oficial da Agência Estatal de Meteorologia da Espanha (Aemet) informa que o fato de “nomear as tempestades profundas favorece que a comunicação seja mais efetiva diante de um episódio adverso. A tempestade profunda só será nomeada quando se preveja condições que dêem lugar a emissão de alertas de vento de nível laranja ou vermelho em algum dos três países”.

As estações meteorológicas de Portugal, França e Espanha nomearão conjuntamente as tempestades em ordem alfabética. A lista dos nomes, que já foi definida, é Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Felix, Gisele, Hugo, Irene, Jose, Katia, Leo, Marina, Nuno, Olivia, Pierre, Rosa, Samuel, Telma, Vasco, Wiam.

O comunicado explica ainda que a tempestade manterá o mesmo nome ao longo de todo o seu ciclo de vida. Apenas as tempestades do Atlântico serão nomeadas e não as tempestades do Mediterrâneo. Além disso, os avisos associados aos ventos locais ou regionais não serão levados em consideração ao nomear tempestades profundas.

Portugal

Em Portugal, foi registrada a morte de uma mulher, após a queda de uma árvore. Além disso, três pessoas ficaram feridas e três desalojadas, segundo o balanço nacional da Autoridade Nacional da Proteção Civil. Os números podem subir na medida em que haja atualização das informações.

A Tempestade Ana colocou ainda oito distritos em alerta vermelho e provocou a queda de 983 árvores e 270 estruturas, além de 128 inundações e um incêndio. Mais de 30 estradas foram interditadas, sobretudo no norte e no centro do país. As informações são da Agência Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Espanha

A Agência Estatal de Meteorologia da Espanha informou no domingo que a tempestade passaria pelo norte do Mar Cantábrico durante a tarde e a noite de domingo (10), chegando à França na manhã de hoje (11). A passagem da tempestade causou ventos muito fortes, más condições marítimas e chuvas fortes e prolongadas, que afetaram boa parte da península e das Ilhas Baleares. Na região costeira da Andaluzia e do Mediterrâneo foram registradas ondas de até 5 metros.

França

De acordo com jornal francês Le Figaro, 32 províncias estão em alerta laranja para neve, vento e precipitação. Na manhã de hoje (11), ventos fortes sopraram sobre uma parte do oeste da França e fortes chuvas cairam no sudeste. No meio da manhã, 120 mil famílias ficaram privadas de eletricidade por causa da tempestade. Ao meio-dia, os ventos mais fortes estavam presentes na costa da Normandia com rajadas acima de 100 km/h. A tempestade também deixou cerca de 80.000 casas sem eletricidade no Vale do Loire hoje (11), informou o jornal Le Parisien.

Norte da Europa

No norte da Europa as fortes chuvas, ventos e neve também vêm causando estragos. De acordo com o site da britânica BBC, a acumulação de neve pesada causou mais de 350 cancelamentos de voos e atrasos no aeroporto de Schiphol, nos Países Baixos e no aeroporto de Bruxelas. Os viajantes foram avisados para verificar as atualizações de voos antes de sair de casa, em vez de ir para o aeroporto com mau tempo.

No domingo (10), no Reino Unido, milhares de casas ficaram sem eletricidade. Hoje (11), centenas de escolas foram fechadas. As condições das estradas foram descritas como perigosas em muitas áreas.

Na Alemanha, a grande quantidade de neve que caiu causou muitos acidentes de carro e engarrafamentos, bem como atrasos de trens. Mais de 300 voos foram cancelados no domingo (10) no aeroporto de Frankfurt, o mais movimentado na Alemanha.

 

http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2017-12/ventos-fortes-muita-chuva-e-neve-causam-transtornos-na-europa

VIA EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Deixe um comentário