Prefeito do Rio defende revisão do uso de armas letais por policiais militares

Prefeito do Rio defende revisão do uso de armas letais por policiais militares

armas

Armas    Marcello Casal Jr./Arquivo Agência Brasil

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirmou hoje (13) que não é a favor do uso de armas letais pela Guarda Municipal e propôs uma reflexão sobre o crescente uso desse tipo de armamento pelo crime organizado.

No caso da Polícia Militar, disse o prefeito, quanto mais a corporação se arma, mais os bandidos o fazem. Crivella fez a declaração em entrevista à imprensa, após reunião com o comando da Guarda Municipal e secretários da prefeitura e de municípios fluminenses, no centro da cidade.

No encontro, ele comentou o Encontro da Associação Internacional de Chefias de Polícia, realizado em outubro nos Estados Unidos (EUA), do qual participou com uma delegação da prefeitura.

A aposta de Crivella não é no armamento da Guarda Municipal. Este era um dos pontos da plataforma de campanha que o elegeu prefeito, no ano passado. Ele disse que continua defendendo o uso de armas não letais pela Guarda Municipal. “Aqui no Rio, aliás, no Brasil, tem uma coisa que não existe em outras partes [do mundo]: à medida que vamos armando a polícia, os bandidos vão se armando. Então, é uma coisa que devemos considerar”, afirmou.

O prefeito contou que, no encontro nos EUA, entre as experiências exitosas de segurança pública, não foram apresentados relatos de uso de armas letais. “Lá, na Filadélfia [cidade norte-americana], nesse encontro, eles trataram de uma coisa fundamental: a polícia comunitária, todos trabalhando com armas não letais. Não houve nenhuma troca de experiência sobre uso de fuzil.”

No Rio, a Câmara de Veresadores liberou o uso de armas não letais pelos guardas municipais somente no mês de junho, apesar de protestos dos que fazem oposição ao prefeito. Com a medida, os agentes podem usar agora equipamentos para evitar agressões ou incapacitar pessoas em flagrante, temporariamente, como taser [arma de eletrochoque], gás lacrimogêneo e spray de pimenta apenas. Já a Polícia Militar, que também patrulha a cidade, pode ser encontrada portando armas de guerra, como fuzis, na orla.

“A Inglaterra tem 40 mil policiais, sendo 3,5 mil com porte de arma, enquanto o Estado [do Rio] tem 50 mil policiais militares”, disse, à imprensa o vereador Renato Cinco (PSOL). “O Rio não tem déficit de políiiais, o Rio tem déficit de emprego, de saúde e de educação”, afirmou, referindo-se à forma de combate à violência na cidade.

Nos Estados Unidos, a delegação do Rio foi apresentada a novas tecnologias e experiências de policiamento. Algumas das medidas estão em estudo pela prefeitura.

Recentemente, a cidade de Niterói, na região metropolitana do Rio, rejeitou, em plebiscito convocado pela Câmara de Vereadores, a proposta do prefeito, Rodrigo Neves, de comprar armas letais para a Guarda Municipal. Os agentes permanecem desarmados.

*Colaborou Raquel Júnia, do Radiojornalismo

12 de dezembro de 201720:31

VIA EBC GERAL

1 Trackback / Pingback

  1. Armas menos letais 3

Deixe um comentário