ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sem favorito, chilenos decidem em segundo turno novo presidente do país

Sem favorito, chilenos decidem em segundo turno novo presidente do país

Os chilenos decidem neste domingo (17) quem será o presidente do país nos próximos quatro anos, uma eleição em segundo turno sobre a qual poucos arriscam apontar um vencedor.

O ex-presidente Sebastián Piñera, que comandou o país entre 2010 e 2014, representante da coalizão de direita Chile Vamos, enfrenta o senador Alejandro Guillier, apoiado pelo governo da atual presidente do país, Michelle Bachelet.

No primeiro turno, realizado no último dia 19 de novembro, Piñera venceu com 36,66% dos votos. Guillier ficou na segunda posição, com 22,68%. A participação foi de 46,7% do eleitorado, cerca de 6,7 milhões dos 14,3 milhões de eleitores aptos a votar.

O resultado foi ruim para Piñera que, segundo as pesquisas, teria mais de 40% dos votos. Alguns até apostavam que o ex-presidente venceria sem a necessidade de segundo turno.

Nas últimas semanas, os dois adversários se esforçaram para atrair eleitores dos candidatos derrotados no primeiro turno.

Os analistas, no entanto, indicam que a participação terá bastante influência no resultado final. Quanto maior for a abstenção, maiores serão as chances de Piñera. Se mais eleitores forem às urnas, Guillier pode chegar ao Palácio de la Moneda.

Piñera garantiu até agora o apoio dos eleitores de José Antonio Kast, um ultraconservador que obteve 8% dos votos no primeiro turno. Ele é apoiado por nostálgicos da ditadura de Augusto Pichonet e por diversas organizações de militares reformados do país.

Também apoiarão o ex-presidente alguns segmentos da Democracia Cristã e eleitores do senador Manuel José Ossandón, que foi adversário de Piñera nas primárias da direita para a presidência.

Guillier, por sua vez, conseguiu atrair os votos de diversos movimentos e partidos da Frente Ampla que, com a jornalista Beatriz Sánchez como candidata, obteve 1,3 milhões de votos no primeiro turno e elegeu cerca de 20 parlamentares.

Além disso, o senador é apoiado oficialmente pela Democracia Cristã, da candidata Carolina Goic, que ficou com 5,88% dos votos no primeiro turno, e pelo Partido Progressista, de Marco Enríquez Ominami, o escolhido de 5,72% dos eleitores em novembro.

As seções eleitorais funcionarão das 8h às 18h locais (mesmo horário em Brasília). Os resultados são públicos. O presidente da mesa deve falar em voz alta o candidato marcado em cada cédula. Os partidos e candidatos escolhem representantes que podem contestar os votos ou se defender das objeções feitas pelos adversários.

O sistema parece complicado, mas, na prática, é rápido e eficaz. O Serviço Eleitoral (Servel) anunciou que os primeiros resultados serão divulgados por volta das 19h30 locais (mesmo horário de Brasília), com 20% das urnas apuradas. Mais duas parciais – com 50% e 90% dos votos – serão publicadas nas duas horas seguintes.

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Os chilenos decidem neste domingo (17) quem será o presidente do país nos próximos quatro anos, uma eleição em segundo turno sobre a qual poucos arriscam apontar um vencedor.

O ex-presidente Sebastián Piñera, que comandou o país entre 2010 e 2014, representante da coalizão de direita Chile Vamos, enfrenta o senador Alejandro Guillier, apoiado pelo governo da atual presidente do país, Michelle Bachelet.

No primeiro turno, realizado no último dia 19 de novembro, Piñera venceu com 36,66% dos votos. Guillier ficou na segunda posição, com 22,68%. A participação foi de 46,7% do eleitorado, cerca de 6,7 milhões dos 14,3 milhões de eleitores aptos a votar.

O resultado foi ruim para Piñera que, segundo as pesquisas, teria mais de 40% dos votos. Alguns até apostavam que o ex-presidente venceria sem a necessidade de segundo turno.

Nas últimas semanas, os dois adversários se esforçaram para atrair eleitores dos candidatos derrotados no primeiro turno.

Os analistas, no entanto, indicam que a participação terá bastante influência no resultado final. Quanto maior for a abstenção, maiores serão as chances de Piñera. Se mais eleitores forem às urnas, Guillier pode chegar ao Palácio de la Moneda.

Piñera garantiu até agora o apoio dos eleitores de José Antonio Kast, um ultraconservador que obteve 8% dos votos no primeiro turno. Ele é apoiado por nostálgicos da ditadura de Augusto Pichonet e por diversas organizações de militares reformados do país.

Também apoiarão o ex-presidente alguns segmentos da Democracia Cristã e eleitores do senador Manuel José Ossandón, que foi adversário de Piñera nas primárias da direita para a presidência.

Guillier, por sua vez, conseguiu atrair os votos de diversos movimentos e partidos da Frente Ampla que, com a jornalista Beatriz Sánchez como candidata, obteve 1,3 milhões de votos no primeiro turno e elegeu cerca de 20 parlamentares.

Além disso, o senador é apoiado oficialmente pela Democracia Cristã, da candidata Carolina Goic, que ficou com 5,88% dos votos no primeiro turno, e pelo Partido Progressista, de Marco Enríquez Ominami, o escolhido de 5,72% dos eleitores em novembro.

As seções eleitorais funcionarão das 8h às 18h locais (mesmo horário em Brasília). Os resultados são públicos. O presidente da mesa deve falar em voz alta o candidato marcado em cada cédula. Os partidos e candidatos escolhem representantes que podem contestar os votos ou se defender das objeções feitas pelos adversários.

O sistema parece complicado, mas, na prática, é rápido e eficaz. O Serviço Eleitoral (Servel) anunciou que os primeiros resultados serão divulgados por volta das 19h30 locais (mesmo horário de Brasília), com 20% das urnas apuradas. Mais duas parciais – com 50% e 90% dos votos – serão publicadas nas duas horas seguintes.

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2017-12/sem-favorito-chilenos-decidem-em-segundo-turno-novo-presidente-do-paisVIA EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADO

Deixe um comentário