ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Expectativa do consumidor sobre a economia termina 2017 em baixa, diz CNI

Expectativa do consumidor sobre a economia termina 2017 em baixa, diz CNI

A expectativa dos consumidores em relação à economia terminou o ano de 2017 em baixa e ficou praticamente no mesmo patamar registrado no fim de 2016. É o que mostra levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) voltado a avaliar a percepção dos cidadãos sobre sua situação financeira e as expectativas sobre indicadores como desemprego, inflação e renda pessoal.

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) ficou em 100,5 pontos em dezembro. O desempenho foi -0,5% menor do que o do mês anterior e 0,2% acima do aferido em dezembro de 2016. Quando comparado com o mesmo mês de 2015, o índice cresceu apenas cinco pontos. Durante todo esse período, a confiança dos consumidores ficou abaixo da média histórica, de 108,1 pontos.

Desemprego

O estudo revelou que a preocupação maior segue sendo o desemprego. A expectativa sobre o tema foi -5,6% menor do que a de novembro. No comparativo com 2016, ela aumentou 5,3%. Já no tocante à renda pessoal, as projeções foram negativas tanto em relação ao mês anterior (-1%) quanto ao ano passado (-2,9%).

A visão sobre a inflação também foi mais pessimista do que a registrada em outubro (-2,6%), mas oscilou em referência à de 2016 (1,9%). Quando questionados sobre a compra de bens de maior valor (como uma TV ou geladeira novas), os participantes do levantamento se mostraram menos otimistas do que no mês anterior (-1,3%) e mais confiantes do que em 2016 (1,3%).

A avaliação foi positiva em dois assuntos: endividamento e situação financeira. Sobre o primeiro, os consumidores ouvidos demonstraram maior confiança do que em outubro (3,7%) e menor do que em 2016 (-1,8%). Já quanto ao segundo, a percepção foi parecida, com expectativa maior sobre o mês passado (3,7%) e menor na comparação com 2016 (-2,2%).

Efeito crise

Na avaliação de Marcelo Azevedo, economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o fato de a expectativa permanecer quase a mesma de 2016 se deve à persistência da crise econômica no país. As famílias seguem sendo afetadas, com situação financeira difícil, grande endividamento e ainda altos índices de desemprego.

“Para o consumidor, ainda está muito incerto. Ainda tem muita preocupação com relação ao desemprego. Há uma preocupação com a situação presente e uma expectativa que vem melhorando, mas que ainda mostra algum receio. Essa confiança se mantendo, baixa a recuperação da demanda, tende a se manter lenta”, explica.

A expectativa dos consumidores em relação à economia terminou o ano de 2017 em baixa e ficou praticamente no mesmo patamar registrado no fim de 2016. É o que mostra levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) voltado a avaliar a percepção dos cidadãos sobre sua situação financeira e as expectativas sobre indicadores como desemprego, inflação e renda pessoal.

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) ficou em 100,5 pontos em dezembro. O desempenho foi -0,5% menor do que o do mês anterior e 0,2% acima do aferido em dezembro de 2016. Quando comparado com o mesmo mês de 2015, o índice cresceu apenas cinco pontos. Durante todo esse período, a confiança dos consumidores ficou abaixo da média histórica, de 108,1 pontos.

Desemprego

O estudo revelou que a preocupação maior segue sendo o desemprego. A expectativa sobre o tema foi -5,6% menor do que a de novembro. No comparativo com 2016, ela aumentou 5,3%. Já no tocante à renda pessoal, as projeções foram negativas tanto em relação ao mês anterior (-1%) quanto ao ano passado (-2,9%).

A visão sobre a inflação também foi mais pessimista do que a registrada em outubro (-2,6%), mas oscilou em referência à de 2016 (1,9%). Quando questionados sobre a compra de bens de maior valor (como uma TV ou geladeira novas), os participantes do levantamento se mostraram menos otimistas do que no mês anterior (-1,3%) e mais confiantes do que em 2016 (1,3%).

A avaliação foi positiva em dois assuntos: endividamento e situação financeira. Sobre o primeiro, os consumidores ouvidos demonstraram maior confiança do que em outubro (3,7%) e menor do que em 2016 (-1,8%). Já quanto ao segundo, a percepção foi parecida, com expectativa maior sobre o mês passado (3,7%) e menor na comparação com 2016 (-2,2%).

Efeito crise

Na avaliação de Marcelo Azevedo, economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o fato de a expectativa permanecer quase a mesma de 2016 se deve à persistência da crise econômica no país. As famílias seguem sendo afetadas, com situação financeira difícil, grande endividamento e ainda altos índices de desemprego.

“Para o consumidor, ainda está muito incerto. Ainda tem muita preocupação com relação ao desemprego. Há uma preocupação com a situação presente e uma expectativa que vem melhorando, mas que ainda mostra algum receio. Essa confiança se mantendo, baixa a recuperação da demanda, tende a se manter lenta”, explica.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-12/expectativa-do-consumidor-sobre-economia-termina-2017-em-baixa-diz-cniVIA EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Siga e Compartilhe

RELACIONADO

Deixe um comentário

Gostou do site? Siga-nos , Compartilhe as notícias em suas Redes Sociais ou receba via e-mail assinando gratuitamente nossa Newsletter