Festival das Sementes Crioulas é realizado no sudoeste da Bahia

Festival das Sementes Crioulas é realizado no sudoeste da Bahia

SOBERANIA

Ação que visa o cuidado e desenvolvimento de sementes crioulas é lançada durante evento de pequenos agricultores

Guilherme Ribeiro |
Análise de conjuntura durante o festival das sementes crioulas.
Comunicação MPA

Aliando os saberes tradicionais do povo do campo com o tema da soberania alimentar, o Movimento de Pequenos Agricultores (MPA) e a Cooperativa Mista de Produção e Comercialização do Estado da Bahia (CPC), realizaram o 2º Festival das Sementes Crioulas da Bahia, nos dias 2 e 3 de fevereiro, na cidade de Brumado, sudoeste do estado. Participaram do evento mais de 500 camponeses e camponesas, vindos de 54 municípios da Bahia, além de representantes de outros cinco estados do país.
Com o lema “Semeando Sabedoria”, foram realizadas palestras, nas quais se debateu a conjuntura política do país e a preservação do patrimônio genético das sementes crioulas, oficinas de capacitação para o plantio e trocas de experiências entre os mais diversos territórios presentes.

O que são sementes crioulas
Leomárcio Araújo, dirigente do MPA na Bahia, explica que as sementes crioulas “são base para a vida e para uma alimentação saudável”. As sementes crioulas são produzidas por agricultores familiares, assentados da reforma agrária, quilombolas, indígenas e povos tradicionais, sendo transmitidas de geração em geração e fruto da sabedoria popular, que soube aliar a produção de alimentos saudáveis com o cuidado e preservação do meio ambiente. 
Para Leomárcio, “em tempos de conjuntura política acirrada, a bancada do “boi” do Congresso Nacional tenta a todo custo sufocar a produção das sementes crioulas, forçando através de projetos de lei a comercialização das sementes transgênicas, cujos laboratórios Bayern, Syngenta, Monsanto entre outros foram os grandes financiadores de suas campanhas”, pontua. 
Feira de Troca de Sementes
Um dos pontos marcantes do festival foi a realização de uma feira, na qual os produtos e as sementes crioulas eram trocadas ou vendidas a preços justos, como forma de circulação de material vindo de diversos cantos da Bahia e do Brasil, fortalecendo a articulação e a produção da agricultura familiar.
A feira foi aberta para toda a população da cidade e contou com apresentações artísticas de vários cantadores do povo, como Pedro Munhoz, Neudo Oliveira, Cescé Amorim e a banda Fulô do Cangaço.

Guardiões das sementes crioulas: adote uma semente
Como parte da resistência camponesa, o Festival foi palco para lançamento da campanha “Adote uma semente”. A ação faz parte da campanha internacional da Via Campesina, que tem como mote “Sementes, patrimônio dos povos a serviço da humanidade”.
Segundo Leomárcio, essa será uma prioridade do MPA do próximo período. “Consiste em incentivar as famílias de pequenos agricultores a cuidar e desenvolver pelo menos uma variedade de semente crioula, naquilo que o movimento tem chamado de “guardiões das sementes crioulas”.
O Festival contou com apoio e participação de diversas entidades e movimentos populares, entre eles: AABA, ASA, CEDASBE, TEIA, MAB, MAM, MPP, MST, ASFAB e Levante Popular da Juventude, contando com a presença da Secretaria de Desenvolvimento Rural da Bahia e de parlamentares.

5 de Fevereiro de 201817:50

Via Brasil de Fato

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será divulgado


*


%d blogueiros gostam disto: