GERAL

Como seriam Romeu e Julieta aos 80 anos?

Como seriam Romeu e Julieta aos 80 anos?

Quando entramos num teatro normalmente suspendemos temporariamente nossa descrença: sabemos que o personagem morto num duelo vai ressuscitar para receber os aplausos e que os amantes apaixonados provavelmente tomarão rumos opostos depois que tirarem a maquiagem. Nós, amantes do teatro, estamos preparados para aceitar que o que acontece no palco é apenas uma fantasia, uma “peça”, não uma realidade.

Este gringo com certeza precisou de uma dose extra de suspensão de descrença para assistir Romeu e Julieta 80, encenado no Sesc Ipiranga, em São Paulo, por dois famosos octogenários tespianos, Renato Borghi e Miriam Mehler nos papéis principais. É uma montagem peculiar, concebida e dirigida por Marcelo Lazzaratto. A temporada vai até domingo, 18 de fevereiro.

Montar Romeu e Julieta de Shakespeare com dois adultos maduros como amantes e mais dois atores, Carolina Fabri e Elcio Nogueira Seixas, personificando alternadamente os inimigos Montecchio e Capuleto, é um enorme desafio. É essa contenda familiar que amaldiçoa os jovens amantes que tende a se perder nessa montagem. Felizmente, a peça não procura imitar o original, trazendo o foco para para os pontos altos da obra que Renato e Miriam encenam com toda a afeição e calor de sua maturidade.

No momento que corresponde à cena do baile, quando Romeu e Julieta se apaixonam, a emoção de Renato ao vislumbrar Miriam ao fundo do cenário despojado não é a paixão selvagem de um jovem e sim o sentimento de alguém experiente e sábio. Da mesma forma, a coqueteria de Miriam na cena do balcão mostra um entusiasmo maduro, uma compreensão e uma irritação diante dos chamados insistentes da ama. Ele sabe o que a espera.

Lazzaratto parece indagar: “o que pode se revelar, quantas sutilezas da alma humana podem se manifestar quando os intérpretes de Romeu e Julieta sabem que existe vida aos 80 anos?”.

Somos presenteados com momentos de verdadeiro insight ao conjecturar como as personagens de Shakespeare teriam se portado se tivessem chegado aos 80. Mas somos capazes de nos envolver com eles e não com os jovens amantes desgraçados reimaginados como adultos e infectados pelas mesmas paixões?

Há momentos maravilhosos, mas, infelizmente, não bastam para sustentar a presunção de olhar para a obra desse ponto de vista geriátrico.

O repertório teatral, diferentemente da dança e da ópera, oferece inúmeros papéis para intérpretes de todas as idades. Uma jovem atriz pode desempenhar o papel de uma das amantes em Sonho de uma Noite de Verão, Julieta em Romeu, evoluir para uma das Viúvas Alegres de Windsor, transformar-se em Ofélia ou Desdêmona em Otelo e graduar-se como Lady Macbeth, isso só tocando a superfície da obra de Shakespeare.

Miriam e Renato passaram 60 anos no teatro, desde 1957, e não é de se surpreender que a montagem tenha se tornado tanto uma celebração da arte e da amizade dos dois quanto a exploração das emoções dos jovens personagens vistos à distância da idade madura. Certamente o amor profundo que demonstram um pelo outro prescinde de qualquer suspensão de descrença.Romeu e Julieta aos 80 anos no Sesc Ipiranga, em São Paulo.Romeu e Julieta no Sesc Ipiranga, em São PauloRomeu e Julieta 80 no Sesc Ipiranga, em São Paulo.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Peter Rosenwald

RELACIONADO

Deixe um comentário