Água de consumo em comunidades em Barcarena está contaminada por rejeitos químicos

Água de consumo em comunidades em Barcarena está contaminada por rejeitos químicos

Pará

Laudo recomenda que mineradora forneça água potável. Nível de alumínio é 25 vezes maior que o limite

Lilian Campelo |
Os rejeitos químicos transbordaram com as chuvas e atingiram igarapés e florestas em comunidades rurais
MPPA / Divulgação

Os resultados das análise físico-química de metais feitas pelo Instituto de Pesquisa Evandro Chagas (IEC) revelam contaminação por nitrato, alumínio e metais tóxicos nas águas de igarapés e rios em comunidades rurais de Barcarena, no nordeste do Pará, causado pelo vazamento de rejeitos da bacia da empresa mineradora Hydro Alunorte.

As amostras de águas foram feitas nas comunidades Bom Futuro, Vila Nova e Burajuba, as mais afetadas pelos resíduos químicos. De acordo com o pesquisador Marcelo de Oliveira Lima, especialista em saúde pública do IEC é preciso alertar a população.

“Nesse momento com os transbordamentos você está lançando no ambiente uma água com alta alcalinidade, com PH elevado, efluentes contendo metais tóxicos que podem chegar a população que vive nos entornos, então o que isso pode causar de danos à saúde? Diversos danos, mas o principal, no momento,  é o contato primário com essas águas ou o consumo; então tem que se emitir um alertar para evitar o consumo dessas águas”, frisa.

Os níveis de alumínio encontrado nas amostras estavam 25 vezes maiores do que os permitidos pela legislação ambiental. O nitrato também era outro componente químico encontrado em alta quantidade no meio ambiente, a presenta em níveis cima do normal indica que houve degradação ambiental.

Com a fortes chuvas nesse período a contaminação se alastrou para rios, florestas e igarapés. Muitas comunidades utilizam a água de poços rasos, como informa Ângela Vieira, Presidente do Conselho fiscal da Associação dos Caboclos, Indígenas e quilombolas da Amazônia (CAINQUIAMA) e moradora de Vila Nova, uma das comunidades atingidas.

 “A maior parte da nossa comunidade usa poço com boca aberta e alguns poços artesianos, mas é 18 metros [de profundidade] e a gente também usa a água que vem da instalação de Barcarena, só que até a água do município está fedendo e é essa água que a gente usa. As pessoas da nossa comunidade são pobres e não temos condições de comprar água mineral”, afirma.

O IEC não colheu amostram de água dos poços nas três comunidades, mas devido as chuvas intensas muitos foram inundados e devem conter substância da lama de rejeitos.

O Instituto recomenda que à mineradora forneça imediatamente água potável para todas as residências das comunidades Bom Futuro, Vila Nova e Burajuba e que execute um plano de emergência para avaliação da qualidade das águas superficiais e de consumo humano nas áreas afetadas, enquanto durar o período de chuvas na região.

Em nota a Hydro Alunorte afirmou que fará uma análise do laudo do Instituto assim que receber o relatório. A mineradora informou também que vai fornecer água potável para a região numa ação conjunta com Defesa Civil.

23 23America/Sao_Paulo Fevereiro 23America/Sao_Paulo 201816:32

Via Brasil de Fato

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Hits: 2

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário