Em tempos de golpe, não se pode cochilar

Em tempos de golpe, não se pode cochilar

Aposentadoria

Com a pressão popular, restou ao governo anunciar que a reforma da Previdência está tirando o time de campo

Cristiane Sampaio |
Em protesto contra a reforma da Previdência, trabalhadores fizeram greve de fome na Câmara Federal no final do ano passado
Cristiane Sampaio

A reforma da Previdência foi sufocada pela luta popular. Os protestos que se deram pelo país ao longo de mais de um ano surtiram efeito e fizeram com que o governo voltasse atrás, a ponto de lançar mão de uma intervenção militar no Rio de Janeiro para, nada mais nada menos, do que ofuscar a derrota que sofreu das massas.

Submetido a um constrangimento nacional, Michel Temer, o presidente sem voto, sem legitimidade e sem popularidade, faz de conta que trata a segurança pública como agenda prioritária, quando, na verdade, continua acuado e sem apoio dentro da sua própria base no Congresso pra colocar a matéria em votação.

E o resultado é o que se viu esta semana: diante da impossibilidade de aprovar emendas constitucionais durante uma intervenção militar, restou ao governo anunciar que a polêmica reforma está tirando o time de campo.

Diante disso, fica a previsão de que a matéria será empurrada para o próximo governo. Mas, atenção: os lobos continuam com sede e ainda há setores que defendem a votação da reforma por meio de um projeto de lei, o que permitiria alterações mais superficiais na Previdência.

E tem ainda aqueles que defendem a votação após as eleições de outubro. Portanto, a luta popular tem seu mérito, mas é preciso continuar atento, afinal, em tempos de golpe, não se pode cochilar.

23 23America/Sao_Paulo Fevereiro 23America/Sao_Paulo 201813:03

Via Brasil de Fato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *