Coluna | O sucesso das cantoras drags

Coluna | O sucesso das cantoras drags

Representatividade

“Artistas dão visibilidade para segmento discriminado”

Felipe Marcelino* |
Pabllo Vittar: causou muita curiosidade uma cantora drag emplacando sucessos seguidos e sempre presente nos programas de TV
Reprodução

A música pop brasileira trouxe uma novidade para o mundo. Elas foram chegando, abrindo espaços, vencendo preconceitos e cada vez mais se consolidando no mercado. Estou falando das cantoras drags! Pabllo Vittar, Glória Groove, Lia Clark, Aretuza Lovi, Linn da Quebrada entre outros e outras que estão em evidência, cada vez mais ouvidos, fazendo shows pelo país e bombando nas redes.
Um dos marcos da ascensão das cantoras drags foi o sucesso estrondoso de Pabllo Vittar em 2017, que chamou a atenção do grande público para essas artistas. Causou muita curiosidade uma cantora drag emplacando sucessos seguidos e sempre presente nos programas de TV ou nos canais de internet. A partir daí, as outras cantoras – mais restritas ao meio LGBT – começam também a ser projetadas para outros públicos. E elas prometem muito para o ano de 2018!
Elas sabem muito bem aproveitar o território da internet e é lá que podemos conhecer os seus trabalhos, o sucesso que fazem e os seus fãs. E é nessa relação fã e artista que o fenômeno das cantoras drags ganha uma dimensão nova e social. Há uma relação de profunda intimidade entre os fãs – a maioria adolescentes e jovens LGBTs e da periferia – e as novas celebridades. Não se trata de uma relação de projeção, mas sim de identificação. E se identificam com drags/LGBTs da periferia, superando o preconceito sexual e de gênero. 
Cada uma delas tem um estilo próprio. Se Vittar tem um estilo mais diva glamourosa e sensual, Glória Groove traz toques do hip hop paulistano e Lia Clark traz muita ousadia e “certas vulgaridades”. E muito mais do que simplesmente cantar, elas fazem uma performance, impactam com o novo e desconhecido e, conscientes ou não, fazem política: dão visibilidade e protagonismo para um dos segmentos mais violentados e discriminados da população – as trans e travestis. 
Surpreendeu-me, dia desses, ver um menino e uma menina cantando juntos “Indestrutível”, de Pabblo Vittar e uma multidão de adolescentes e jovens no carnaval indo ao delírio aos primeiros sons do hit “Bumbum de Ouro”, de Glória Groove. Mudanças acontecem assim.

27 27America/Sao_Paulo Fevereiro 27America/Sao_Paulo 201808:02

Via Brasil de Fato

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Hits: 0

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário