Chefe da Polícia Civil do Rio diz que recursos federais serão imprescindíveis

Chefe da Polícia Civil do Rio diz que recursos federais serão imprescindíveis

O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa, disse hoje (13) em sua primeira entrevista à imprensa após ser empossado que o aporte de recursos federais será imprescindível para a reestruturação da corporação. Barbosa foi nomeado pelo secretário estadual de segurança pública, general Richard Nunes, e defendeu mudanças estruturantes na Polícia Civil.

“Para que a gente possa fazer essas medidas, existe a necessidade imprescindível que a gente tenha recursos do governo federal. No final dessa intervenção, a gente vai ser as Polícias Militar e Civil que o governo federal quer para o Brasil”, disse o delegado.

Rivaldo Barbosa afirmou que a intervenção tem um aspecto de perseguir a melhoria da segurança no estado de imediato, mas também busca reestruturar as polícias para que os aprimoramentos permaneçam após o fim do decreto do presidente Michel Temer que nomeou o interventor federal para a segurança pública, o general Walter Braga Netto.

“Não adianta fazer tudo isso agora se, quando a intervenção sair, não estivermos reestruturados”, afirmou.

O delegado anunciou que já determinou ao novo corregedor, Gilson Emiliano, a abertura dos procedimentos regulares contra o delegado Marcelo Martins, que foi preso hoje durante a operação Pão Nosso, deflagrada pela Polícia Federal, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e o Ministério Público Federal. A Polícia Civil deve solicitar à Polícia Federal informações sobre as acusações contra o delegado, que ocupava a Diretoria de Polícia Especializada.

Rivaldo Barbosa falou que a troca de todos os diretores já havia sido solicitada pelo general Richard, e Marcelo Martins será substituído por Marcos Vinicius de Oliveira Braga.

“Já tinha sido definido isso há um tempo, mas,  por questões burocráticas, não tínhamos feito ainda essa substituição”, explicou Barbosa, que definirá hoje quem ocupará as outras três diretorias da Polícia Civil. Participarão da reunião que decidirá os diretores o novo subchefe da Polícia Civil, delegado Gilberto Ribeiro, e a nova subchefe administrativa, a delegada Gisele de Lima Pereira.

Rivaldo Barbosa definiu entre suas prioridades o combate à corrupção, com o fortalecimento do setor de Inteligência especializado na área financeira, e a melhoria do atendimento à população nas delegacias.

“Um dos meus objetivos mais claros é que a população tenha um atendimento decente e melhor na delegacia. Que a população tenha a certeza de que nós vamos fazer o melhor para que ela efetivamente tenha um atendimento”, disse.

O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa, disse hoje (13) em sua primeira entrevista à imprensa após ser empossado que o aporte de recursos federais será imprescindível para a reestruturação da corporação. Barbosa foi nomeado pelo secretário estadual de segurança pública, general Richard Nunes, e defendeu mudanças estruturantes na Polícia Civil.

“Para que a gente possa fazer essas medidas, existe a necessidade imprescindível que a gente tenha recursos do governo federal. No final dessa intervenção, a gente vai ser as Polícias Militar e Civil que o governo federal quer para o Brasil”, disse o delegado.

Rivaldo Barbosa afirmou que a intervenção tem um aspecto de perseguir a melhoria da segurança no estado de imediato, mas também busca reestruturar as polícias para que os aprimoramentos permaneçam após o fim do decreto do presidente Michel Temer que nomeou o interventor federal para a segurança pública, o general Walter Braga Netto.

“Não adianta fazer tudo isso agora se, quando a intervenção sair, não estivermos reestruturados”, afirmou.

O delegado anunciou que já determinou ao novo corregedor, Gilson Emiliano, a abertura dos procedimentos regulares contra o delegado Marcelo Martins, que foi preso hoje durante a operação Pão Nosso, deflagrada pela Polícia Federal, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e o Ministério Público Federal. A Polícia Civil deve solicitar à Polícia Federal informações sobre as acusações contra o delegado, que ocupava a Diretoria de Polícia Especializada.

Rivaldo Barbosa falou que a troca de todos os diretores já havia sido solicitada pelo general Richard, e Marcelo Martins será substituído por Marcos Vinicius de Oliveira Braga.

“Já tinha sido definido isso há um tempo, mas,  por questões burocráticas, não tínhamos feito ainda essa substituição”, explicou Barbosa, que definirá hoje quem ocupará as outras três diretorias da Polícia Civil. Participarão da reunião que decidirá os diretores o novo subchefe da Polícia Civil, delegado Gilberto Ribeiro, e a nova subchefe administrativa, a delegada Gisele de Lima Pereira.

Rivaldo Barbosa definiu entre suas prioridades o combate à corrupção, com o fortalecimento do setor de Inteligência especializado na área financeira, e a melhoria do atendimento à população nas delegacias.

“Um dos meus objetivos mais claros é que a população tenha um atendimento decente e melhor na delegacia. Que a população tenha a certeza de que nós vamos fazer o melhor para que ela efetivamente tenha um atendimento”, disse.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-03/chefe-da-policia-civil-do-rio-diz-que-recursos-federais-serao-imprescindiveisVIA EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Hits: 0

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário