De larva a borboleta, como a poesia pode ajudar no combate ao vício em drogas

De larva a borboleta, como a poesia pode ajudar no combate ao vício em drogas

Livro

Autor Ivan Pinto criuou projeto para ajudar na recuperação de jovens dependentes

Lilian Pacheco |
Ivan Pinto lançou a obra há três meses e quer ampliar centro de tratamento em Lagoa Santa (MG)
Divulgação

O processo de transformação de uma larva em borboleta pode chegar a um ano e representa um período de grandes mudanças até o primeiro voo. O livro “De Larva a Borboleta – Poesia Adictiva” mostra  que essa mudança não tem prazo definido para quem luta contra as drogas, mas que deve ser uma conquista diária até a libertação do vício. Um registro que vai muito além da arte e que pode representar um estímulo para quem ainda não venceu a doença.

Lançado há três meses, o livro transforma em versos os problemas causados pela dependência química e mostra que é possível manter a doença sob controle. A renda obtida com as vendas vai ajudar na construção de uma unidade para atendimento gratuito a adolescentes usuários, na região metropolitana de Belo Horizonte.

“ Falo das sensações causadas pelo uso da droga, do luto e arrependimento depois do uso, da autodestruição, da busca pela recuperação e da recuperação em si”, explica o terapeuta Ivan Pinto, autor do livro. Temas que ele, um “adicto em recuperação”, termo usado para definir ex-usuários que venceram o vício, viveu na pele depois de usar drogas por mais de duas décadas, ser internado seis vezes e conseguir manter o controle da doença há cinco anos.  “Falo da reconquista dos prazeres da vida, da transformação e tratamento dos usuários”, explica Ivan que também é assistente social e neto do histórico radialista Aldair Pinto.

Uma pesquisa feita pelo IBGE em 2013 aponta que 9,9% dos estudantes de Belo Horizonte usaram drogas entre 13 e 15 anos. Os meninos são os principais usuários, representando 10,7% dos relatos de uso de entorpecentes. Já uma pesquisa divulgada em 2015 pela Subsecretaria Estadual de Políticas Sobre Drogas aponta que a maioria dos usuários atendidos pelo estado é de homens que se iniciaram no vício entre 12 e 17 anos.

Caminhos

 O processo de confecção do livro já mostra que a união pode gerar frutos e criar novos caminhos na luta contra a dependência. Com a ideia na cabeça, o autor se mobilizou, até pela internet, para conseguir as doações para a impressão e conta com a ajuda de amigos para aumentar o número de exemplares vendidos. São os amigos e parceiros que também participaram do projeto declamando as 36 poesias que foram reunidas em um CD que acompanha a publicação.

 Toda a renda será revertida para concretizar o sonho de ampliar o atendimento do Centro de Tratamento de Dependentes Químicos (Centradeq), em Lagoa Santa, do qual Ivan é um dos coordenadores, e que possui hoje 84 internos adultos.

A ampliação deve beneficiar 80 adolescentes homens, de 12 a 17 anos, que receberão todo o suporte para se livrar do vício. O objetivo é que, além do tratamento contra a dependência, sejam ofertados cursos profissionalizantes como panificação, cozinha, hortaliças, além de reforço escolar, viabilizados por meio de parcerias. Para Ivan, acreditar na recuperação é o primeiro passo para o sucesso do trabalho. “Acreditamos nisso e queremos preparar esses jovens para que se reintegrem à sociedade”, conclui.

10 de Abril de 201812:15

Via Brasil de Fato

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Hits: 0

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário