Número de passageiros em transporte sobre trilhos cresce 0,4% em 2017

Número de passageiros em transporte sobre trilhos cresce 0,4% em 2017

Metrô de Belo Horizonte (Divulgação/CBTU)

Apesar da crise, setor metroferroviário cresceu, diz 

associação dos transportadores  Divulgação/CBTU

A rede de transporte de passageiros sobre trilhos do Brasil cresceu 0,4% no volume de usuários transportados em 2017 e manteve-se próxima dos números do ano anterior, com um total de 2,93 bilhões de passageiros. Os dados estão no Balanço do Setor Metroferroviário de Passageiros 2017/2018, divulgado hoje (16) pela Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos).

De acordo com o presidente da ANPTrilhos, Joubert Flores, o resultado foi alcançado mesmo com a crise econômica e o alto índice de desemprego. “Apesar da crise, nós crescemos. As pessoas não usam o transporte porque querem, mas porque precisam. Setenta por cento das viagens são de pessoas que vão trabalhar e estudar. Com crise, com menos emprego, as pessoas viajam menos”, afirmou.

Segundo a entidade, a ANPTrilhos, a expansão da rede foi responsável pela manutenção do número de passageiros. No ano passado, a rede de transporte de passageiros sobre trilhos cresceu 30,2 quilômetors, com a inauguração de duas novas linhas e a extensão de três, ampliando 24 estações de atendimento à população. Se não contasse com a ampliação da rede, haveria uma queda de 1,2% na demanda de passageiros.

“Temos 1,064 quilômetros [km] de rede operacional. Esse número em um país como o nosso é muito acanhado. Se pegar dois grandes sistemas, são do tamanho do Brasil inteiro”, disse Flores, citando como exemplo Londres, com 460 km de linhas e Xangai, com mais de 500 km de linhas de transporte de passageiros. “Precisamos olhar o que funciona, pegar esse conceito, trazer para cá e ter linhas estruturantes, se não, vamos ter sempre carro demais, engarrafamento de mais, gastos demais”, ressaltou o presidente.

O Brasil tem hoje 21 sistemas de transporte sobre trilhos distribuídos em 11 estados, incluindo metrô, trem metropolitano, VLT (veículo leve sobre trilhos), monotrilho e aeromóvel. Eles são operados por 14 empresas, das quais seis são privadas.

O país tem ainda 15 projetos contratados e/ou em execução de transporte de passageiros sobre trilhos. A previsão da ANPTrilhos para este ano é de mais 41,3 km em novas linhas e outras 22 estações, mantendo o crescimento registrado no ano passado.

Joubert Flores defendeu a realização de estudos para aumentar e melhorar o transporte urbano nos grandes municípios. O Brasil tem 27 regiões metropolitanas com mais de 1 milhão de habitantes, e 13 contam com sistemas de transporte sobre trilhos.

O presidente da ANPTrilhos disse que isso não deve ser uma guerra “trilhos versus pneus”, mas ressaltou que os sistemas precisam ser integrados, já que há regiões em que não se justificam modais de alta capacidade. “O ônibus é o alimentador, faz a capilaridade.” Para Flores, os modais não podem concorrer um com o outro, e o planejamento e as políticas públicas precisam ser eficientes para não diminuir a escala de passageiros em cada um.

De acordo com  Flores, no caso do transporte sobre trilhos, os benefícios são econômicos, sociais e ambientais. No ano passado, o número de empregados no setor aumentou 6%, por exemplo. Há ainda o benefício da revitalização de áreas e organização do espaço urbano, já que os sistemas sobre trilhos necessitam 20 vezes menos espaço que outras alternativas de mobilidade. Além disso, há a economia em termos de emissão de poluentes, consumo de combustíveis, tempo de viagens e número de acidentes.

O balanço completo e as perspectivas sobre o setor metroferroviário estão disponíveis na página da ANPTrilhos.

Metrô de Belo Horizonte (Divulgação/CBTU)

Apesar da crise, setor metroferroviário cresceu, diz 

associação dos transportadores  Divulgação/CBTU

A rede de transporte de passageiros sobre trilhos do Brasil cresceu 0,4% no volume de usuários transportados em 2017 e manteve-se próxima dos números do ano anterior, com um total de 2,93 bilhões de passageiros. Os dados estão no Balanço do Setor Metroferroviário de Passageiros 2017/2018, divulgado hoje (16) pela Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos).

De acordo com o presidente da ANPTrilhos, Joubert Flores, o resultado foi alcançado mesmo com a crise econômica e o alto índice de desemprego. “Apesar da crise, nós crescemos. As pessoas não usam o transporte porque querem, mas porque precisam. Setenta por cento das viagens são de pessoas que vão trabalhar e estudar. Com crise, com menos emprego, as pessoas viajam menos”, afirmou.

Segundo a entidade, a ANPTrilhos, a expansão da rede foi responsável pela manutenção do número de passageiros. No ano passado, a rede de transporte de passageiros sobre trilhos cresceu 30,2 quilômetors, com a inauguração de duas novas linhas e a extensão de três, ampliando 24 estações de atendimento à população. Se não contasse com a ampliação da rede, haveria uma queda de 1,2% na demanda de passageiros.

“Temos 1,064 quilômetros [km] de rede operacional. Esse número em um país como o nosso é muito acanhado. Se pegar dois grandes sistemas, são do tamanho do Brasil inteiro”, disse Flores, citando como exemplo Londres, com 460 km de linhas e Xangai, com mais de 500 km de linhas de transporte de passageiros. “Precisamos olhar o que funciona, pegar esse conceito, trazer para cá e ter linhas estruturantes, se não, vamos ter sempre carro demais, engarrafamento de mais, gastos demais”, ressaltou o presidente.

O Brasil tem hoje 21 sistemas de transporte sobre trilhos distribuídos em 11 estados, incluindo metrô, trem metropolitano, VLT (veículo leve sobre trilhos), monotrilho e aeromóvel. Eles são operados por 14 empresas, das quais seis são privadas.

O país tem ainda 15 projetos contratados e/ou em execução de transporte de passageiros sobre trilhos. A previsão da ANPTrilhos para este ano é de mais 41,3 km em novas linhas e outras 22 estações, mantendo o crescimento registrado no ano passado.

Joubert Flores defendeu a realização de estudos para aumentar e melhorar o transporte urbano nos grandes municípios. O Brasil tem 27 regiões metropolitanas com mais de 1 milhão de habitantes, e 13 contam com sistemas de transporte sobre trilhos.

O presidente da ANPTrilhos disse que isso não deve ser uma guerra “trilhos versus pneus”, mas ressaltou que os sistemas precisam ser integrados, já que há regiões em que não se justificam modais de alta capacidade. “O ônibus é o alimentador, faz a capilaridade.” Para Flores, os modais não podem concorrer um com o outro, e o planejamento e as políticas públicas precisam ser eficientes para não diminuir a escala de passageiros em cada um.

De acordo com  Flores, no caso do transporte sobre trilhos, os benefícios são econômicos, sociais e ambientais. No ano passado, o número de empregados no setor aumentou 6%, por exemplo. Há ainda o benefício da revitalização de áreas e organização do espaço urbano, já que os sistemas sobre trilhos necessitam 20 vezes menos espaço que outras alternativas de mobilidade. Além disso, há a economia em termos de emissão de poluentes, consumo de combustíveis, tempo de viagens e número de acidentes.

O balanço completo e as perspectivas sobre o setor metroferroviário estão disponíveis na página da ANPTrilhos.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-04/numero-de-passageiros-em-transporte-sobre-trilhos-cresce-04-em-2017

VIA EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Hits: 0

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário