PSDB pede anulação da candidatura de Eunício Oliveira ao Senado por fraude em pesquisa eleitoral

PSDB pede anulação da candidatura de Eunício Oliveira ao Senado por fraude em pesquisa eleitoral

Eunício Oliveira é suspeito de fraude eleitoral. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Eunício Oliveira é suspeito de fraude eleitoral. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A coligação PSDB-Pros no Ceará pede na Justiça Eleitoral a anulação da candidatura à reeleição do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), que deve ser oficializada no sábado (4) pelo MDB. A ação foi motivada pela divulgação de uma pesquisa de intenção de voto supostamente fraudulenta, realizada pela IFT.com Editoração Eletrônica.

A empresa responsável pela pesquisa é da jornalista Patrícia Paes de Andrade, cunhada do senador. Além disso, são apontados como indícios da fraude a disposição e grafia de nomes que poderiam induzir a resultados pré-determinados na pesquisa, afirma a defesa da coligação.  A ação classifica o levantamento como uma “pesquisa familiar” e fraudulenta.

Entre as acusações, estão o fato de a sondagem, em todos os cenários, apresentar primeiramente o nome de Eunício e do ex-governador Cid Gomes como opções para eleitor, sem intercalar com candidatos de outras legendas.

Outro aspecto que chamou atenção foi a grafia incorreta do nome político do candidato do PSDB ao Governo do Estado, General Theóphilo. Na pesquisa, ele é apresentado ao eleitor como “Guilherme Theophilo”. A pesquisa também ignora o nome de Henrique Meirelles, pré-candidato pelo MDB, na disputa pela presidência da República.

“O candidato General Theóphilo foi colocado na pesquisa como Guilherme. Não tem ninguém no Ceará que conhece o candidato Guilherme. Todo mundo conhece o General. Outra fraude que ficou ostensiva foi que o próprio Eunício Oliveira aparecia em primeiro lugar entre os nomes, depois o Cid”, ressalta o advogado da coligação, Maia Filho.

Penalidade

A defesa solicitou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os detalhes sobre a elaboração e aplicação da pesquisa para saber de onde partiram e quem recebeu as ligações, além dos relatórios das entrevistas para comprovar as acusações. O levantamento foi realizado por telefone, pela empresa IFT.

A representação na Justiça Eleitoral pede multa no valor de R$ 106 mil, a exclusão do candidato, com cassação de registro, e abertura de inquérito na Polícia Federal, que pode resultar em detenção de 6 meses a um ano, caso seja condenado por divulgar levantamento falso.

MDB

Em nota, a assessoria de Eunício Oliveira disse que o Diretório estadual do partido não foi notificado da ação e que a acusação é infundada, uma vez que a pesquisa atendeu a todas as exigências legais, inclusive com registro no TSE como prevê a legislação.

A nota classificou como vazia a contestação do PSDB de que a patente do General Theóphilo não foi apresentada.


Pesquisa

A pesquisa, contratada pelo MDB e feita pela cunhada do líder do partido no Ceará, foi realizada de 27 a 30 de julho por meio telefônico. O levantamento teve um custo declarado de R$ 34.967,00. Foram entrevistadas 2.000 pessoas residentes no Estado.

O estudo está registrado no TRE-CE (Tribunal Regional Eleitoral do Ceará) sob o nº CE-08592/2018. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

Tribuna do Ceará3 de agosto de 201810:30Publicado primeiro em TRIBUNA DO CEARÁ

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Hits: 21

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário