Cartas, ato e trancamento de avenidas marcam 11 de abril em BH

BRASIL

Cartas, ato e trancamento de avenidas marcam 11 de abril em BH

RESISTÊNCIA

A mensagem “Lula Livre” foi levada a vários cantos da capital para denunciar a prisão ilegal do ex-presidente

Amélia Gomes e Rafaella Dotta |
Avenida Nossa Senhora do Carmo ficou trancada por uma hora
Frente Brasil Popular

A capital mineira é uma das grandes cidades que participaram ativamente do Dia Nacional de Mobilizações em Defesa de Lula Livre, 11 de abril. A Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo realizaram um ato político unitário, na Praça Afonso Arinos, com a presença de aproximadamente 8 mil pessoas. A reivindicação principal foi a liberdade do ex-presidente Lula.

Para dar visibilidade à defesa, a Frente Brasil Popular organizou também, na manhã de quarta (11), o trancamento de três das principais avenidas de BH. O ato, chamado de “trancaço”, aconteceu entre 6h e 8h, com bloqueio das avenidas Nossa Senhora do Carmo, na região Sul, da Antônio Carlos, na altura da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e da Amazonas, na altura da Praça da Vilma, em Contagem, na Região Metropolitana.

Mirinha Muniz, da direção estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), explica que o trancaço tem o objetivo de estimular a população a se manifestar. “Você gera um impacto, é um ato que para a rotina das pessoas e abre espaço para conversar. Dialogamos através da panfletagem ou abrimos uma lateral para as pessoas passarem e verem as faixas”, diz.

O bloqueio da avenida Amazonas, do qual Mirinha participou, se transformou posteriormente em uma caminhada de 7 quilômetros, ocupando apenas uma faixa, até a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Ao longo do caminho muitas foram as provocações de pessoas contrárias à liberdade de Lula, mas também muitos foram os assovios, as buzinas e os gritos de apoio.

Para Valéria Borges, integrante do Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD), que estava presente na avenida Nossa Senhora do Carmo, os trancaços de ontem se inserem em um processo de lutas. “Essas ações são só uma amostra do que nós vamos fazer no Brasil se o Lula não for libertado”, encoraja. “Nós, trabalhadores, estamos aqui para reivindicar o nosso direito, nós queremos o nosso líder livre!”, completa.

Tenda de cartas

Os belo horizontinos se manifestaram também pela escrita. A Tenda da Democracia é organizada com frequência pelo coletivo Alvorada na Praça Sete e recebeu ontem pessoas interessadas em escrever ao ex-presidente. Voluntárias estiveram de 10h às 16h recolhendo as cartas para enviá-las hoje (12) a Lula.

12 de Abril de 201814:00

Via Brasil de Fato

Hits: 4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *