Entidade de estudantes denuncia caso de racismo em universidade de Fortaleza

Entidade de estudantes denuncia caso de racismo em universidade de Fortaleza

Um Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado e os envolvidos estão sendo procurados (FOTO: Reprodução)

Um caso de racismo foi denunciado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade de Fortaleza (Unifor) nesta terça-feira (15). Por meio de uma nota de repúdio, a entidade de representação estudantil conta que uma aluna negra foi agredida verbalmente enquanto caminhava para a sala de aula. Por fim, lembra que a discriminação racial é crime, segundo a Legislação Brasileira. Um Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado e os envolvidos estão sendo procurados.

Na “Nota de Repúdio: RACISMO, AQUI NÃO!”, publicada em uma rede social, a entidade de representação estudantil descreve a conversa que a vítima, aluna da universidade, ouviu.

“O Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Fortaleza vem através desta nota manifestar total repúdio ao triste episódio em que uma aluna foi vítima de racismo dentro do Campus.

“Você não merece estar aqui.”
“Esse lugar não é para gente como você”.
“Sua negra! Não quero conviver com pessoas do seu tipo aqui na Universidade.”

Na última semana, uma aluna foi agredida dentro da Universidade de Fortaleza. Palavras que atingem sua honra e dignidade foram proferidas enquanto a mesma caminhava até a sua sala de aula. Estamos profundamente preocupados! Esse fato revela uma atitude desprezível e chama a nossa atenção para a necessidade de, em pleno 2018, continuar debatendo sobre um princípio basilar em nossa Constituição Federal: Somos todos iguais, logo, temos direitos iguais. Não custa lembrar que a Legislação Brasileira considera crime a prática do racismo.
Ressaltamos, também, a importância em divulgar quaisquer episódios similares motivados pela intolerância e ignorância. O presente caso já está sendo averiguado e os procedimentos cabíveis vem sendo tomados para identificar e punir o agressor. Repudiamos qualquer tipo de discriminação, seja ela racial, de gênero, religiosa ou pela orientação sexual. E reafirmamos a posição da nossa entidade como lugar de apoio para os alunos.
Racismo, esse lugar não é para você.”

Logo após o ocorrido, a vítima procurou o DCE para pedir ajuda. O Diretório orientou que a estudante registrasse um Boletim de Ocorrência.

O Tribuna do Ceará tentou, por meio de telefone, contato com a assessoria de comunicação da Unifor, que ainda não se manifestou sobre o caso. Também buscou contato com a vítima, mas ela preferiu não se manifestar.

Tribuna do Ceará16 de October de 201815:04Publicado primeiro em TRIBUNA DO CEARÁ

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*