Partido de Ciro diz que vai pedir nulidade das eleições após denúncia de caixa 2 na campanha de Bolsonaro

Partido de Ciro diz que vai pedir nulidade das eleições após denúncia de caixa 2 na campanha de Bolsonaro

Ciro Gomes e o presidente do PDT, Carlos Lupi. (Foto: PDT)

Ciro Gomes e o presidente do PDT, Carlos Lupi. (Foto: PDT)

O PDT, partido que disputou as eleições com o candidato Ciro Gomes, anunciou que vai pedir a nulidades do resultado do 1° turno por causa de denúncia de que empresas estariam comprando pacotes de divulgação em massa de mensagens contra o PT no Whatsapp. A denúncia foi publicada pela Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (18).

Segundo O Globo, o presidente do PDT, Carlos Lupi, está reunido com integrantes do partido para definir o formato da ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O movimento foca principalmente na propagação de fake news que, pare ele, têm se transformado no grande problema desta eleição.

O PDT é um aliado histórico do PT. Após ficar em 3° lugar no primeiro turno, o partido declarou um “apoio crítico” à candidatura de Fernando Haddad, do PT.

Apesar da expectativas dos petistas de que o PDT se engajaria na campanha, o resultado tem sido o oposto. Ciro viajou para Europa e seu irmão, o senador eleito Cid Gomes, transformou um ato pró-Haddad em Fortaleza em um desabafo contra o PT.

Denúncia contra Bolsonaro

De acordo com a Folha de S. Paulo, empresas estão comprando pacotes de disparo em massa de mensagens contra o PT no Whatsapp, em ação que deve ser reforçada na semana anterior ao 2° turno.

A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresa, prática vedada pela legislação eleitoral, além de não ser declarada. Segundo a Folha, cada contrato chega a R$ 12 milhões.

No Twitter, após a denúncia, o candidato Jair Bolsonaro (PSL), fez ataque ao PT. “Apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita”, escreveu. Ao site Antagonista, ele disse ainda que “não tem controle” se tem empresário “simpático” a ele “fazendo isso”.

Seu adversário, Fernando Haddad, acusou o militar de “tentar fraudar a eleição”. “Felizmente não deu (pra ele vencer) no primeiro turno, senão isso tudo iria para debaixo do tapete”, disse antes de evento em São Paulo. “O segundo turno tem que ser entre mim e Ciro”, completou.

Tribuna do Ceará18 de October de 201817:30Publicado primeiro em TRIBUNA DO CEARÁ

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*