“Caridade aumenta a miséria”, defende autor que fingiu ser mendigo por 1 ano em Fortaleza

GERAL

“Caridade aumenta a miséria”, defende autor que fingiu ser mendigo por 1 ano em Fortaleza   

Yago Martins escreveu o livro com base em sua experiência nas ruas de Fortaleza (FOTO: Reprodução/Twitter)

Yago Martins escreveu o livro com base em sua experiência nas ruas de Fortaleza (FOTO: Reprodução/Twitter)

“A Máfia dos Mendigos: Como a Caridade Aumenta a Miséria”. Esse é o título de um livro que tem causado polêmica nas redes sociais. A obra é de Yago Martins, pastor, apresentador e podcaster, conforme sua biografia na rede social. No livro, o autor explica as causas da alta incidência de mendicância no Brasil, de acordo com sua experiência nas ruas – por um ano, ele fingiu ser mendigo nas ruas de Fortaleza.

Por meio do Twitter, Yago disse que esconderia a obra por mais tempo, mas a pré-venda no Amazon, site de venda de produtos pela internet, “entregou tudo”. O livro é vendido por R$ 39,90.

Sem entrar em detalhes, o autor informa que falará mais sobre o livro depois. “Foi um ano me vestindo de mendigo para entender a pobreza. Por enquanto, é tudo o que digo”, relata.

Polêmica nas redes sociais

Até o momento desta edição, a publicação rendeu mais de 300 comentários. Na maioria deles, os internautas apresentam uma opinião crítica sobre a abordagem do livro, na qual o pastor explica por que as tentativas de vencer a pobreza continuam fracassando e defende que os mendigos não passam fome na rua. Outras pessoas manifestam curiosidade para ler a obra.

“É incrível a desonestidade desse rapaz. Moro no mesmo canto desde sempre, melhorei um tantinho de vida desde que me formei e comecei a trabalhar, mas jamais diria uma asneira como a que ele publicou no livro”. A autora do comentário é Camila Freitas, jornalista e integrante do podcast cearense “Indo e Voltando”.

Outra pessoa, identificada apenas por Max, considera “uma crueldade gigantesca” dizer que não há fome e que mendigos estão bem supridos, fazendo referência ao conteúdo do livro.

Vini Lima, outro internauta, comenta que não irá fazer crítica ao livro antes de lê-lo, mas indaga ao autor: “Queria muito saber se você ficou um ano na rua e ‘descobriu’ isso que você diz ou se já tinha essa ‘tese’ e foi para a rua apenas comprova-la”.

“Não concordo com a aparente premissa do livro, aparente porque julgo apenas pela capa. Mas quero ler, analisar os dados, verificar a tese e metodologia, depois farei as críticas ao pastor. Uma análise só pelo título, resenha dos outros ou pela orelha do livro é muito rasa”, comentou Alexandre Lopes.

Resenha do livro

Segundo a resenha do livro no Amazon, Yago utiliza argumentos polêmicos para falar sobre a mendicância no país. Ele passou um ano em pesquisa de campo, fingindo ser mendigo pelas ruas de Fortaleza. Com essa autoetnografia, ele diz que pôde confirmar a suspeita de que as pessoas em situação de rua não são realmente ajudados.

“Os moradores de rua não são seres que sempre experimentaram circunstâncias extremas e que, por isso, se exilaram: eles já foram o que nós somos hoje; o que falta, muitas vezes, é encontrar quem verdadeiramente os note”, diz a resenha.

O escritor reforça que eles (mendigos) não precisam de alguém que os dê comida e tire uma foto para as redes sociais, ou de ações públicas e privadas a partir de uma realidade que não lhes perguntam quais suas reais necessidades.

O Tribuna do Ceará entrou em contato com o autor solicitando entrevista, através de suas redes sociais, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria.

    Vitória Barbosa  22 de August de 2019  07:00  

Publicado Primeiro em Tribuna do Ceará

Hits: 4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *