Com 4 barragens em alerta máximo, cidades mineiras fazem simulados

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Com 4 barragens em alerta máximo, cidades mineiras fazem simulados   

Após quatro barragens da Vale atingirem nível de alerta máximo em Minas Gerais, moradores de diferentes municípios participam de simulados para saber o que fazer em caso de rompimento. Os próximos treinamentos ocorrem amanhã (31), às 15h, simultaneamente em três cidades mineiras: Raposos, Nova Lima e Itabirito. As ações devem envolver cerca de 11 mil pessoas, segundo a Defesa Civil de Minas Gerais.

A população atendida nesses simulados serão moradores de localidades que se situam na mancha da inundação das barragens B3/B4, Forquilha I e Forquilha III, que tiveram seus níveis de segurança elevados de 2 para 3, fazendo sirenes soarem na noite de quarta-feira (27). Trata-se do nível máximo, que significa risco iminente de ruptura. Na ocasião, a Vale explicou, em nota, que a ação foi necessária pois auditores independentes contratados informaram que essas estruturas não receberiam declarações de estabilidade, respeitando parâmetros da Agência Nacional de Mineração (ANM).

A barragem B3/B4 integra a Mina Mar Azul, em São Sebastião das Águas Claras, um distrito de Nova Lima. A comunidade é conhecida popularmente como Macacos, um dos destinos turísticos mais procurados na região devido à beleza natural dos arredores.

A duas semanas do carnaval, o nível de segurança da estrutura foi elevado de 1 para 2, fazendo com que as sirenes fossem acionadas pela primeira vez. Quase 300 pessoas precisaram deixar suas casas localizadas na zona de autossalvamento, isto é, em toda a área que seria alagada em menos de 30 minutos ou que está situada a uma distância de menos de 10 quilômetros. Diante da situação, as pousadas enfrentaram uma debandada dos clientes que tinham reserva para o carnaval.

A nova mudança, agora para o nível 3, agrava ainda mais a situação da economia local, pois afasta os visitantes. Não houve novas evacuações, mas as pessoas que já haviam sido retiradas de casa permanecem sem acesso ao imóvel. A convocação para o simulado foi feita para quem mora em toda a área abrangida pela mancha de inundação e não apenas na zona de autossalvamento.

Já nas barragens Forquilha I e Forquilha III da Mina Fábrica, em Ouro Preto (MG), os riscos de rompimento também já haviam levado ao acionamento das sirenes no dia 20 de fevereiro, quando o nível 2 foi atingido forçando a retirada de cerca de 70 moradores de suas residências. Com a elevação para o nível 3, novamente soou o sinal sonoro, mas não houve necessidade de evacuar outras casas. No entanto, detentos de Itabirito estão sendo transferidos pois o presídio onde estavam fica na área abarcada pela mancha de inundação.

Na quinta-feira (28), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou a adoção de providências pela Vale, em caráter de urgência, para prevenir e mitigar danos humanos e materiais diante dos riscos nas barragens B3/B4, Forquilha I e Forquilha III. Atendendo a pedido formulado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), foi dado prazo de 48 horas para que a mineradora adote 27 providências técnicas relacionadas à segurança das estruturas e à assistência aos moradores. A Vale também terá que contratar uma empresa de auditoria externa independente para realizar vistorias nas barragens.

Todas as barragens que estão em alerta máximo foram construídas seguindo o método de alteamento a montante, o mesmo usado na estrutura da Mina do Feijão que causou a tragédia em Brumadinho (MG), no dia 25 de janeiro deste ano. Essa era também a técnica usada na barragem da mineradora Samarco que se rompeu em Mariana (MG), no ano de 2015. A Vale afirma que todas as barragens em alerta máximo estão inativas e já não vinham recebendo mais rejeitos. Elas foram incluídas no plano de descaracterização anunciado pela mineradora após a tragédia de Brumadinho.

O rompimento da barragem na Mina do Feijão levou 217 pessoas à morte, e 87 pessoas estão desaparecidas, segundo os dados mais recentes da Defesa Civil de Minas Gerais. Após o episódio, diversas barragens, não apenas da Vale como também de outras mineradoras, tiveram suas estruturas reavaliadas e sofreram elevação no nível de segurança. Em consequência, centenas pessoas foram retiradas de suas casas em todo o estado.

Mina do Gongo Soco

Na tarde de ontem (29), foi a vez de a população de Santa Bárbara (MG) ser instruída sobre como proceder em caso de necessidade de evacuação. Algumas áreas do município, onde vivem cerca de 1,8 mil pessoas, localizam-se dentro da mancha de inundação da barragem Sul Superior da Mina de Gongo Soco, situada em Barão de Cocais (MG). Esses locais seriam atingidos em aproximadamente 2 horas e meia após um eventual rompimento.

Barão de Cocais, Defesa Civil, represas

Moradores de Barão de Cocais recebem orientações da Defesa Civil – Prefeitura Municipal de Barão de Cocais/Divulgação

A barragem Sul Superior teve seu nível de segurança elevado de 1 para 2 no início de fevereiro. A mudança fez soar os alarmes em Barão de Cocais, exigindo que centenas de pessoas deixassem suas casas localizadas na zona de autossalvamento. Na semana passada, o nível de segurança subiu novamente, de 2 para 3. Foi a primeira estrutura a atingir o alerta máximo após a tragédia de Brumadinho.

Santa Bárbara é o segundo município que seria afetado pelo rompimento da barragem Sul Superior a receber o treinamento. Na última segunda-feira (25), ele também foi realizado com os moradores de Barão de Cocais. Para facilitar a participação no simulado, o prefeito da cidade decretou feriado.

Reparação de danos

Para assegurar a reparação dos prejuízos causados aos moradores que deixaram suas casas, o MPMG também tem conseguido decisões favoráveis para bloquear recursos da Vale. A mineradora está impedida de movimentar em suas contas R$ 3 bilhões, visando aos danos ocorridos em Barão de Cocais, e R$ 1 bilhão, para os verificados em Macacos.

Ontem (29), o MPMG anunciou mais uma ação, pedindo o bloqueio de R$1 bilhão para reparar prejuízos causados pela situação com a barragem Vargem Grande, também em Nova Lima. Ao todo, estão bloqueados mais de R$ 16 milhões das contas da Vale, o que inclui ainda as decisões que buscam assegurar recursos para o pagamento das indenizações aos atingidos pela tragédia de Brumadinho.

 

    Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil  30 de March de 2019  10:56  Publicado Primeiro em Agência Brasil – Últimas Notícias

Hits: 9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *