Em BH, cinco jornalistas relatam ameaças de eleitores de Bolsonaro

BRASIL

Em BH, cinco jornalistas relatam ameaças de eleitores de Bolsonaro

Violência

Sindicato relata um caso de agressão física e quatro casos de ataques virtuais

Rafaella Dotta |
Caso mais grave foi o da agressão física sofrida por Gabi Coelho (foto acima), jornalista do Voz da Comunidade, no dia 10 de outubro
Foto: Renato Moura

A onda de violência da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência da República, chegou até aos profissionais da informação. Em coletiva de imprensa na tarde de terça (16), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais descreveu cinco casos denunciados pelas próprias vítimas.

Segundo Alessandra Mello, presidenta do SJPMG, quatro jornalistas relataram terem sido alvo de eleitores de Jair Bolsonaro através de seu perfil no Facebook, no Instagram e pelo Whatsapp. Os internautas fazem comentários ameaçadores, de cunho pejorativo (“vadia”, “vagabunda”) e escrevem o nome do candidato. As vítimas pediram para não serem identificadas.

O caso mais grave foi o da agressão física sofrida por Gabi Coelho, jornalista do Voz da Comunidade, no dia 10 de outubro. Em seu perfil do Facebook, Gabi relata que andava a pé por uma rua quando um homem a puxou, e começou a dar socos em suas costas ao mesmo tempo em que a atacava com xingamentos racistas e políticos, como “macaca petista” e “preta suja”. “Eu senti medo por estar sozinha, mas isso nunca vai me intimidar e nem mesmo fazer com que eu desista de tudo que acredito”, declarou Gabi em seu perfil pessoal.

De acordo com a última pesquisa de “Perfil do Jornalista Brasileiro” da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), de 2012, 65% dos profissionais de imprensa são mulheres, o que pode aumentar o risco à categoria, já que mulheres, negros e LGBTs são os maiores alvos de violência nesta campanha.

Outro levantamento, divulgado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) mostra que em 2018 já são 137 casos de agressões a jornalistas no contexto político, partidário e eleitoral. Foram 75 ataques por meios digitais e 62 casos de agressão física. A presidenta do sindicato afirma que a entidade começou a receber também depoimentos de pressão dentro das redações, para que jornalistas façam matérias favoráveis a Jair Bolsonaro e “escondam” as notícias negativas.

Notificação às autoridades

O sindicato fará uma requisição de posicionamento aos órgãos municipais e estaduais, tais como Câmara de Vereadores, Prefeitura de Belo Horizonte, Governo Estadual, Polícia Civil, Polícia Militar e outros. A atitude foi defendida pela cientista política Marlise Matos, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher.

“As instituições têm que responder. Ainda habitamos uma democracia! Este país tem intuições, tem poder judiciário, tem organização de advogados e é urgente acionar todos esses mecanismos”, argumenta. Para ela, as instituições estão omissas e, neste caso, a omissão significa uma cumplicidade com a violência que vem acontecendo.

Outra ação de denúncia foi capitaneada pelo deputado federal eleito Rogério Correa (PT), que entregou nesta quarta (17), representação contra a campanha de Jair Bolsonaro ao Ministério Público Federal, na sede em Belo Horizonte. O argumento principal é o de que a campanha do candidato incita a violência. “Já são mais de 60 casos de violência, incluindo até mortes, proporcionados pelos apoiadores de Bolsonaro, todos seguindo as recomendações do candidato, hoje conhecido em todo o mundo pela truculência e autoritarismo”, afirma a página do deputado no Facebook. A entrega estava marcada para as 15h.

17 de October de 201816:47

Via Brasil de Fato

Hits: 15

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *