“Emprego será visto como favor” diz coordenador do SINDSEP PE

BRASIL
“Emprego será visto como favor” diz coordenador do SINDSEP PE

TRABALHO

Sindicalista aponta que medidas antipopulares estão sendo tomadas no país sem diálogo com a população

Daniel Lamir |
José Carlos de Oliveira fala sobre as perspectivas para o mundo do trabalho no governo Bolsonaro
Arquivo Pessoal

José Carlos de Oliveira é coordenador geral do Sindicato de Servidores Públicos Federais de Pernambuco, o Sindsep-PE. Em conversa com o Brasil de Fato Pernambuco, o sindicalista falou a respeito da retirada de direitos promovida na agenda do atual governo Temer, que será continuada no futuro governo Bolsonaro, a partir de cortes de gastos em serviços básicos como saúde e educação e a precarização do trabalho a partir da Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência. 

Brasil de Fato (BdF) – Na sua opinião, que agenda está posta para a questão do trabalho e emprego a partir das reformas previstas?
José Carlos de Oliveira (JCO) – A agenda que está posta no país a partir do Golpe de 2016 é uma agenda que aponta que toda e qualquer movimentação da riqueza do país, da produção, do PIB, da riqueza gerada pelo trabalho, tudo tem que afunilar para um único setor. Tudo o que vem retirando de forma rápida e desastrosa os direitos conquistados de forma histórica vai na linha de prevalecer o capital. Nem o setor produtivo nesse momento está em pauta. A equação é simples de entender: retiram-se os direitos da classe trabalhadora, que vai ser onerada em detrimento do benefício do capital. 

BdF – Recentemente tivemos mudanças nas regras trabalhistas, em 2017, sem haver diálogo com a população. O novo governo que assume em 2019 não realizou debates sobre o tema. Na sua opinião, um maior diálogo sobre esse tema é necessário?
JCO – O diálogo é um elemento fundamental na democracia. Quando se afronta o regime democrático, se faz de forma unilateral. O que tem acontecido de fato nesse país ao logo desses últimos anos? É um cenário de muita preocupação, porque tudo o que vem sendo implementado vai numa linha de ações estratégicas que passam obrigatoriamente pela destruição da proteção social. A começar pela Emenda Constitucional 95, que a grande mídia prestou um desserviço à sociedade brasileira quando intitulou de “PEC do Teto dos Gastos Públicos”. Os gastos públicos já são limitados pela Lei de Responsabilidade Fiscal e pela Lei Camata, então esse entulho autoritário que foi colocado diminui obrigatoriamente o tamanho do Estado, mas só no que se refere às políticas de proteção social. Se assemelha à situação da Reforma Trabalhista, ou “contrarreforma”, que serviu para desmontar a Consolidação das Leis do Trabalho sem nenhum debate. O que foi vinculado pela grande mídia foi que era “um remédio amargo, porém necessário”, que não mexeria com direitos de ninguém e que geraria empregos, o que são grandes mentiras. Agora eu pergunto, quais foram os empregos gerados? A essência da Reforma Trabalhista, além da retirada de empregos, é tentar fazer com que emprego seja visto como favor no futuro. Tem uma gama de aspectos que apontam para a morte da classe trabalhadora, não há diálogo.
 
BdF – Algumas pessoas colocam que melhores condições de trabalho ajudam no desenvolvimento do país. Qual sua análise sobre essa proposta de ao invés de reduzir a qualidade e condições de trabalho da população, melhorar o desenvolvimento do país?
JCO –Se exige cada vez mais qualificação para jornadas de trabalho cada vez mais exaustivas, mais desprotegidas e com salários menores. Então, é oportuno analisar os últimos dados do IPEA. Além de ter aumentado a massa de trabalhadores na linha de pobreza, a média salarial do Brasil já é 18% menor do que a China, que era o país conhecido mundialmente por produzir por intermédio de mão de obra semiescrava, com jornadas de trabalho exaustivas e salários muito baixos. O Brasil, segundo a denúncia do próprio IPEA, já tem uma média salarial inferior à praticada na China. O que pode fazer do Brasil um país que encontre suas soluções no mercado interno? O poder de compra da população. Essa linha de destruir uma das maiores políticas de distribuição de renda dos últimos anos, que não foi o Bolsa Família, mas exatamente a valorização do salário mínimo, aponta que terá uma legião de miseráveis trabalhando sem direitos e com um parco poder de compra. O que nós queremos é que os direitos sejam ampliados, que se tenha uma agenda do trabalho decente e nós não podemos concordar que cada vez vamos ter que trabalhar mais para ganhar menos. O ser humano não nasceu só para trabalhar, mas hoje nós passamos um terço de nossas vidas nos nossos locais de trabalho. Como fica a qualidade de vida dessas pessoas? Com a Reforma Trabalhista, o que eles querem é uma atividade sem risco algum para o empreendimento, todos os riscos ficam com o trabalhador. 

10 de December de 201810:00

Via Brasil de Fato

Hits: 4

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *