Empresa cearense que inventou fotossensor critica medida tomada por Bolsonaro

GERAL

Empresa cearense que inventou fotossensor critica medida tomada por Bolsonaro   

Medida tomada pelo Governo Federal tem causado polêmica em diversos setores (FOTO: Reprodução)

A Fotosensores Tecnologias se pronunciou via Facebook sobre a polêmica que envolve a retirada dos radares de monitoramento em diversas rodovias federais brasileiras. Responsável por criar os primeiros equipamentos desse tipo, a empresa cearense comentou na última segunda-feira (8) a medida tomada pelo Governo Federal. A instituição ainda rebateu críticas de Jair Bolsonaro às produtoras de fotossensores.

O perfil oficial da organização havia compartilhado o link de uma reportagem da revista Veja sobre os perigos do excesso de velocidade no trânsito. Na caixa de comentários da sua própria postagem, a companhia comentou: “O momento é delicado e importante para a defesa da segurança de trânsito, da mobilidade urbana e da vida”.

“Bom senso antes de tudo, Brasil acima de todos”, publicou o perfil oficial da empresa, em referência ao slogan “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, surgido na Ditadura Militar e repetido pelo presidente durante a campanha eleitoral.

A Fotosensores Tecnologias se pronunciou via Facebook

Na mensagem, a empresa destacou estatísticas nacionais sobre segurança no trânsito: “Somos campeões mundiais de mortes e acidentes de trânsito. Cerca de 40 mil mortos e 300 mil feridos, anualmente”. O perfil também afirma que esses dados precisam ser mostrados “mais contundentemente” à sociedade.

Em outro trecho, a instituição também ressalta a importância do papel de outros órgãos do setor de trânsito. “Tudo é regulamentado pelas várias entidades do setor, todas com profissionais qualificados, além dos muitos lotados em repartições ou autarquias federais, estaduais e municipais, bem como várias ONGs que atuam como observadoras confirmando, infelizmente, a violência, deficiências e perdas humanas”, argumentou a empresa.

A Fotosensores Tecnologia foi pioneira na criação de radares eletrônicos de velocidade no Brasil. A entidade começou suas atividades em 1993, no Parque de Desenvolvimento Tecnológico da Universidade Federal do Ceará (UFC). Com o sucesso do produto, a organização se desvinculou da universidade e abriu firma própria.

Ao longo das últimas duas décadas, a marca se expandiu, passou a produzir softwares, lombadas eletrônicos, computadores de bordo e outras soluções em mobilidade urbana. Desde 2018, a companhia transferiu sua matriz para o polo tecnológico de São José dos Campos, no interior do estado de São Paulo.

Revisão de contratos

No último dia 30, Jair Bolsonaro havia anunciado em seu perfil oficial no Twitter o cancelamento das instalações de mais de 8 mil radares eletrônicos em rodovias federais. Segundo o presidente, a decisão havia sido tomada em caráter imediato, após relatórios do Ministério da Infraestrutura terem revelado que boa parte dos contratos de renovação já estavam prontos. “Sabemos que a grande maioria destes (fotossensores) têm o único intuito de retomo financeiro ao Estado”, declarou o líder.

Bolsonaro também afirmou que todos os contratos com concedentes de radares eletrônicos serão revisados para verificar a real necessidade de existência dos equipamentos nas rodovias. De acordo com o presidente, a medida serve “para que não sobrem dúvidas do enriquecimento de poucos em detrimento da paz do motorista”.

A determinação começou a ser cumprida já no início de abril. Em nota, o Ministério da Infraestrutura informou que a instalação de novos fotossensores só ocorrerá depois da revisão e a atualização de critérios baseados em estudos técnicos que já estão em andamento.

Com a inoperância de radares cujos contratos já haviam sido encerrados e estavam em processo de renovação, milhares de fotossensores foram recolhidos em rodovias de todo o Brasil. Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), a previsão é de que todos os equipamentos sejam recolhidos até o final de abril.

A medida tem causado polêmica em diversos setores da sociedade. Há quem alerte para os riscos oferecidos à segurança do trânsito com a retirada dos radares e considere a decisão arbitrária.

Na última quarta (10), a juíza Diana Vanderlei, da 5ª Vara Federal em Brasília, proibiu a retirada de fotossensores das rodovias federais brasileiras. A juíza também determinou a renovação dos contratos do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade por mais 60 dias.

    Tribuna do Ceará  12 de April de 2019  11:13  

Publicado Primeiro em Tribuna do Ceará

Hits: 4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *