Livro sobre Luiz Gonzaga mostra como ele ajudou a construir um imaginário nordestino

BRASIL

Livro sobre Luiz Gonzaga mostra como ele ajudou a construir um imaginário nordestino

LITERATURA

Obra foi dissertação de mestrado do radialista Jose Mario Austregésilo e já está na quarta edição

Daniel Lamir e Vanessa Gonzaga |
O livro também foca na multiculturalidade do pernambucano
Divulgação/ALECE

“Luiz Gonzaga, o homem, sua terra e sua luta” conta toda a trajetória artística do Rei do Baião. O livro, tema de pesquisa do radialista Jose Mario Austregésilo conta fatos já conhecidos sobre Luiz e também traz novidades descobertas e pouco exploradas sobre o artista. Para chegar até a história de Luiz Gonzaga, Jose Mario perpassou por outros artistas e leituras “Para chegar até Luiz e emergir no tema do sertão eu tive que ler outros autores como Euclides da Cunha, e aí das mais de 700 músicas selecionei as que tinham relação com o homem, a terra e a luta do homem nordestino e daí partimos para a análise”, explica. 
Dentre as várias histórias resgatadas por José Mario, uma delas relembra a vez em que Luiz esteve em Pernambuco em 1968, no auge da sua carreira, e não foi contratado para nenhum show, apresentação ou entrevistas, exceto uma única apresentação na Rádio Clube, no programa Comandos da Alegria. Lá, ele faz um discurso afirmando suas plenas capacidades de exercer seu trabalho e discute a desvalorização do artista no próprio estado. Depois, ele fez um show gratuito de quase três horas no antigo prédio da rádio. 
O livro também foca na multiculturalidade do pernambucano, que além dos ritmos como xote, forró e baião, também compôs para vários outros ritmos antes de se dedicar à música nordestina, como valsas, chorinhos, mazurcas e boleros. A imersão na música que relembrava sua terra veio anos depois por pedidos, principalmente, dos nordestinos que viviam no sudeste e relembravam suas origens ouvindo Luiz.
Percorrendo a discografia é possível perceber que o repertório de Luiz Gonzaga ultrapassa as músicas mais ouvidas no período junino, como músicas em maracatu, uma versão da música de resistência à ditadura “Para não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré e até músicas no trio elétrico com Dodô, Osmar e Armandinho. Luiz retratou não só o imaginário que até hoje existe da seca e fome no sertão, mas também da beleza da caatinga, da alegria trazida pela chuva, do desenvolvimento do nordeste vindo com obras como os trens, das mulheres, da cultura do estado, como a feira de Caruaru e as comidas típicas da região.
Para ajudar a narrar a história, o livro é ilustrado com xilogravuras de J. Miguel, da cidade de Bezerros, como a capa do livro, que mostra o forró no céu com a chegada de Luiz Gonzaga. Uma das assertivas de José Mario sobre a obra do Rei do Baião é que ele ajudou a construir um imaginário para as outras regiões sobre o que é o nordeste e com isso, ele elege um lugar de fala e ao mesmo tempo um ponto de partida para outras discussões. O livro “Luiz Gonzaga, o homem, sua terra e sua luta” pode ser encontrado à venda nas plataformas digitais e em livrarias online e físicas em todo o Brasil.

17 de July de 201909:00


Publicado Primeiro em Brasil de Fato

Hits: 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *