Monsanto operou esquema de monitoramento para desacreditar repórteres, diz jornal

BRASIL

Monsanto operou esquema de monitoramento para desacreditar repórteres, diz jornal

DENÚNCIA

Principal alvo foi Carey Gilliam, repórter da agência de notícias Reuters; jornalista escreveu livro denunciando empresa

Redação |
Monsanto operou um esquema de monitoramento para desacreditar jornalistas e ativistas que denunciaram os impactos negativos de seus produtos
Foto: Jean-Francois Monier/AFP

O jornal britânico The Guardian revelou na última semana que a gigante dos agrotóxicos Monsanto operou um esquema de monitoramento para desacreditar jornalistas e ativistas que denunciaram os impactos negativos de seus produtos.

O principal alvo do “centro de inteligência e resposta” da corporação foi a jornalista da Reuters Carey Gilliam, que investigou a relação entre um pesticida à base de glifosato e a ocorrência de câncer. 

A empresa, controlada pela farmacêutica Bayer, planejou uma série de ações para atacar o livro da jornalista mesmo antes de sua publicação e divulgou críticas negativas à obra para agricultores. 

Segundo o Guardian, a Monsanto chegou a pagar ao Google para que buscas envolvendo as palavras “Monsanto, glifosato, Carey Gilliam” fossem direcionadas para resultados críticos ao trabalho da jornalista. 

“Sempre soube que a Monsanto não gostava do meu trabalho e fez o possível para pressionar meus editores e me silenciar. Mas nunca imaginei que uma companhia bilionária perderia tanto tempo e energia comigo. É assustador”, afirmou Gilliam ao jornal britânico.

A reportagem mostra que a Monsanto utilizou métodos de inteligência adotados pelo FBI contra o terrorismo, chegando a investigar a atuação de organizações alimentícias sem fins lucrativos e os diretores da Reuters. A equipe de relações públicas da empresa também decidiu que continuaria “pressionando os editores em cada oportunidade possível”. 

Os documentos, em sua maioria datados de 2015 a 2017, foram obtidos pelo jornal em meio a batalhas judiciais que investigavam os riscos para a saúde provocados pelo herbicida RoundUp — nome dado ao glifosato produzido pela Monsanto.

Além de Gilliam e de ONGs, a Monsanto também mirou o cantor canadense Neil Yong, que teceu fortes críticas contra a atuação da empresa. O centro de inteligência escreveu um longo informe sobre o ativismo do artista e chegou a considerar tomar “medidas legais”, contra ele. 

Tanto a Monsanto quanto o Google foram procurados pela reportagem do Brasil de Fato. O Google afirmou que não irá comentar o caso. A Monsanto não respondeu. Caso responda, esta matéria será atualizada. 

13 de August de 201916:27


Publicado Primeiro em Brasil de Fato

Hits: 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *