Novas sanções dos EUA contra Cuba revertem política de abertura iniciada por Obama

BRASIL

Novas sanções dos EUA contra Cuba revertem política de abertura iniciada por Obama

DIPLOMACIA

Medidas aplicadas contra ilha foram anunciadas nesta quarta-feira (17); Cuba, Bruxelas e Canadá condenaram sanções

Tiago Angelo |
Aplicação de Título III da Lei Helms-Burton foi anunciada, de forma inédita, pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo
Foto: Drew Angerer/Getty Images North America/AFP

Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira (17) que irão aplicar novas sanções contra Cuba, revertendo medidas adotadas pelo ex-presidente norte-americano Barack Obama (2009-2017), que durante sua gestão reaproximou os dois países pela primeira vez em mais de meio século. 

Entre as políticas que serão aplicadas está a ativação, de modo inédito, do Título III da Lei Helms-Burton, aprovada em 1996 pelo então presidente Bill Clinton. A cláusula permite que cidadãos norte-americanos abram processos judiciais contra empresas instaladas em propriedades expropriadas pelo governo cubano após a revolução de 1959. 

Segundo o anúncio feito pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, a partir de 2 de maio “sob o Título III da Lei Libertad [Lei Helms-Burton], cidadãos norte-americanos poderão abrir processos judiciais contra pessoas que negociem em propriedades confiscadas pelo regime cubano”. 

Cálculos feitos pela agência Reuters indicam que a ativação do Título III poderá desencadear cerca de 200 mil processos, o que trará impactos negativos tanto ao país caribenho quanto a empresas estrangeiras que atuam em Cuba. 

A Lei norte-americana permite que o presidente escolha, a cada seis meses, se irá habilitar ou não o Título III. Todas as administrações anteriores a de Trump optaram por congelar a adoção da medida. Deste modo, será a primeira vez em mais de 20 anos que a cláusula passará a valer. 

O governo Trump já havia sinalizado a pretensão de aplicar o Título III em ao menos duas ocasiões. Em 17 de janeiro deste ano, o Departamento de Estado anunciou a decisão de suspender por apenas 45 dias, e não por seis meses, a aplicação da cláusula, informando que ele passaria a valer após o prazo. Em 4 de março, o órgão voltou a informar que a medida entraria em vigor em aproximadamente 30 dias.

Comissão Europeia contra-ataca

A aplicação do Título III da Lei Helms-Burton irá afetar uma série de empresas da Europa que atuam em Cuba. Por conta disso, a Comissão Europeia ameaçou levar uma denúncia à Organização Mundial do Comércio (OMC) caso companhias do continente sejam afetadas pelas sanções. A medida unilateral dos EUA ameaçam os interesses de empresas espanholas, em especial as do setor hoteleiro. 

Segundo informações do jornal El País, que teve acesso à uma carta enviada por Bruxelas ao secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, o bloco irá adotar todas as medidas necessárias para impedir que as sanções violem seus interesses. A Comissão chegou a informar que irá confiscar companhias norte-americanas que atuam em solo europeu caso precise reparar prejuízos causados pela aplicação do Título III. 

Segundo Federica Mogherini, vice-presidente da Comissão Europeia e alta representante da Política Externa da União Europeia (UE), o bloco será obrigado “a recorrer a todos os instrumentos à sua disposição, inclusive a cooperação com outros parceiros internacionais, para proteger seus interesses”. 

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, também rechaçou o anúncio feito por Pompeo. Segundo ele, a adoção do Título III “é um ataque ao direito internacional, à soberania de Cuba e de outros Estados”. Rodríguez também afirmou que “a agressiva escalada dos EUA contra Cuba fracassará”. 

Já a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freelan, disse que o país “está profundamente decepcionado com o anúncio de hoje” e que irá estudar “todas as opções para responder a esta decisão dos EUA”. 

Restrição a viagens e envio de remessas

Além do Título III da Lei Helms-Burton, os Estados Unidos informaram, também nesta quarta-feira, o restabelecimento de duas sanções. Segundo o conselheiro de Segurança Nacional norte-americano, John Bolton, Washington irá limitar o envio de remessas de dinheiro ao país. A mudança tem como objetivo restringir transações que permitam que Havana tenha acesso a moedas fortes. Bolton também informou que “o Departamento do Tesouro implementará mudanças regulatórias para limitar as viagens não familiares a Cuba”. 

A decisão também vai contra a política de abertura de Obama. Durante sua gestão, o democrata restabeleceu as relações diplomáticas com Cuba, reabrindo a embaixada do país em Havana. Além disso, as restrições para viagens de cidadãos norte-americanos ao país haviam sido retiradas. 

De lá para cá o número de turistas que saíram dos Estados Unidos rumo a Cuba aumentou exponencialmente. Em 2016, segundo dados do Ministério do Turismo cubano, o número de norte-americanos que visitaram o país cresceu mais de 50%. No primeiro semestre de 2017 esse crescimento triplicou, chegando a 150%. 

Desde que Trump assumiu a presidência, no entanto, passou a reverter essas medidas inseridas por Obama. Em setembro de 2017, o governo dos EUA acusou Cuba de ter cometido um ataque com armas sônicas contra representantes diplomáticos dos EUA baseados em Havana. 

A acusação serviu como justificativa para que Washington retirasse a maior parte do corpo diplomático que atuava na ilha. Na ocasião, o governo dos EUA também anunciou que começaria a suspender a emissão de vistos e passou a recomendar que cidadãos norte-americanos parassem de viajar ao país.

A tese de que houve um ataque sônico foi contestada tanto pelo FBI quanto por cientistas independentes que investigaram o caso. 

18 de April de 201920:25


Publicado Primeiro em Brasil de Fato

Hits: 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *