PM se retira e despejo do Acampamento Zé Maria do Tomé (CE) do MST é suspenso

BRASIL

PM se retira e despejo do Acampamento Zé Maria do Tomé (CE) do MST é suspenso

LUTA NO CAMPO

Após mobilização popular, juiz decide supender a retirada das 150 famílias acampadas há quatro anos no local

Camila Garcia* |
Acampamento existe desde maio de 2014 e aplica as técnicas da agroecologia na produção de alimentos
Rafael Crisóstomo

Por volta das 6h30 da manhã desta quarta-feira (21), a Polícia Militar do Ceará chegou com forte aparato ostensivo para cumprir uma decisão de reintegração de posse contra as famílias sem-terra do Acampamento Zé Maria do Tomé, que ocupam há quatro anos as terras pertencentes à União no Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi, na cidade de Limoeiro.

O acampamento existe desde maio de 2014 e reúne atualmente cerca de 150 famílias, que trabalham num processo de transição do modelo tradicional de agricultura para a agroecologia, com foco na preservação do ecossistema e uso consciente dos recursos naturais.

“O nosso sentimento é de indignação. Estamos aqui pela irrigação, nós queremos terra, água e energia, para produzir alimentos de qualidade numa transição agroecológica”, disse Maria de Jesus, da direção estadual do MST.

A mobilização dos agricultores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, com a presença das pastorais sociais da Igreja Católica, de movimentos populares, estudantes universitários e pesquisadores sensibilizou o Juiz da 15ª Vara Federal de Limoeiro do Norte, Bernardo Lima Vasconcelos Carneiro, a suspender o despejo.

A vitória foi bastante comemorada, mas a decisão transitada em julgado pela reintegração de posse, permanece mostrando que a luta ainda não terminou.

“Nesse momento o acampamento Zé Maria conquista um fôlego para seguir lutando, porque não que dize que acabou foi adiada. o que queremos é que o governo federal resolva essa questão, pois as família querem produzir e paz”, disse o acampado Adailton.

A ação de reintegração da área foi movida pela associação de latifundiários da região e do DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), órgão federal responsável pelo perímetro irrigável. 

Histórico

A ocupação fica na Chapada do Apodi, dentro do Perímetro Jaguaribe Apodi, implantado no final dos anos 1980, quando, segundo o site do MST, “a expropriação, expulsão e desmantelamento da produção de cerca de 6 mil famílias da região, que antes produziam alimentos e mantinham relações de identidade com o território”. 

Segundo a entidade, apenas 316 agricultores conseguiram participar do projeto de irrigação, porém 255 foram expulsos posteriormente, o que representa uma taxa de 81% de expropriação, de acordo com estudos realizados pela Universidade Estadual do Ceará/FAFIDAM.

O acampamento leva o nome de Zé Maria Tomé, que foi brutalmente assassinado dia 21 de abril de 2010 “a mando do agronegócio por defender terra, água e alimentos livres de venenos. Ele lutava pela proibição da pulverização aérea e por terra para quem nela trabalha. Para homenagear este companheiro que teve sua voz calada”, afirma nota dos acampados.

Tomé presidia a Associação dos Ex-irrigantes Expropriados do Perímetro Jaguaribe-Apodi (AIJA), que conseguiu que o Departamento Nacional de Combate às Secas (DNOCS), responsável pelas terras, realizasse no ano de 2009, a mando da Justiça, um estudo sobre a estrutura fundiária do Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi. O resultado identificou que, dos 10 mil hectares do projeto, 4 mil estão invadidos e grilados, principalmente, por empresas nacionais e transnacionais, que concentram 50% desse total (invadidas e griladas), somente em áreas acima de 100 hectares, são elas: Del Monte (1.223,27); Banesa (356,74); Fruta Cor (284,29) e WG  Prod. e Distrib. De Frutas Ltda. (174,46)

“A ocupação da Chapada do Apodi aconteceu com a intenção dos trabalhadores e trabalhadoras as retomarem suas terras, de plantar, de garantir o acesso a terra, a água, por isso exigimos uma solução imediata do governo estadual e federal para resolução do despejo e desapropriação imediata. Esse não é o primeiro mandado de despejo, vieram outros antes desse. Aqui as famílias vivem sob constante ameaça de despejo”, afirma Iris Carvalho, da coordenação do MST.

*da assessoria de comunicação do MST no Ceará

21 de November de 201815:42

Via Brasil de Fato

Hits: 10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *