Polícia faz ação para prender acusados de integrar milícia no Rio

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Polícia faz ação para prender acusados de integrar milícia no Rio

Policiais civis cumprem hoje (24) 23 mandados de prisão preventiva contra acusados de integrar três milícias que atuam em São Gonçalo e Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

A ação, que conta com o apoio do Grupo  de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, também cumpre 52 mandados de busca e apreensão.

De acordo com a Polícia Civil, até as 7h50 de hoje, já tinham sido presas 15 pessoas. Os grupos são acusados de extorquir moradores e comerciantes de comunidades e de explorar serviços ilegais.

Segundo investigação da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, as quadrilhas assumiam o controle de comunidades antes controladas pelo tráfico de drogas e prometiam levar paz aos comerciantes e moradores.

Assim que passavam a controlar o território, cobravam uma taxa de segurança que podia chegar a R$ 12 mil, pagos por estabelecimentos comerciais.

Além disso, eles exploravam ilegalmente os serviços de distribuição de gás de botijão e de TV a cabo clandestina.

De acordo com o Ministério Público, uma das quadrilhas atuava nas comunidades do Engenho Pequeno, Zumbi e adjacências, em São Gonçalo; a segunda comandava os bairros de Porto Velho, Porto Novo, Pontal e arredores, também em São Gonçalo; e a terceira dominava os bairros de Itaipuaçu e Inoã, em Maricá.

A arrecadação das quadrilhas chegava a R$ 1,2 milhão por ano.

Policiais civis cumprem hoje (24) 23 mandados de prisão preventiva contra acusados de integrar três milícias que atuam em São Gonçalo e Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

A ação, que conta com o apoio do Grupo  de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, também cumpre 52 mandados de busca e apreensão.

De acordo com a Polícia Civil, até as 7h50 de hoje, já tinham sido presas 15 pessoas. Os grupos são acusados de extorquir moradores e comerciantes de comunidades e de explorar serviços ilegais.

Segundo investigação da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, as quadrilhas assumiam o controle de comunidades antes controladas pelo tráfico de drogas e prometiam levar paz aos comerciantes e moradores.

Assim que passavam a controlar o território, cobravam uma taxa de segurança que podia chegar a R$ 12 mil, pagos por estabelecimentos comerciais.

Além disso, eles exploravam ilegalmente os serviços de distribuição de gás de botijão e de TV a cabo clandestina.

De acordo com o Ministério Público, uma das quadrilhas atuava nas comunidades do Engenho Pequeno, Zumbi e adjacências, em São Gonçalo; a segunda comandava os bairros de Porto Velho, Porto Novo, Pontal e arredores, também em São Gonçalo; e a terceira dominava os bairros de Itaipuaçu e Inoã, em Maricá.

A arrecadação das quadrilhas chegava a R$ 1,2 milhão por ano.

Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasilhttp://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-09/policia-faz-acao-para-prender-acusados-de-integrar-milicia-no-rioPublicado primeiro em EBC ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Hits: 12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *