Ratinho Jr. quer privatizar presídios com modelo que não deu certo

BRASIL

Ratinho Jr. quer privatizar presídios com modelo que não deu certo

Privatização

Relatório do Ministério da Justiça dos Estados Unidos comprovou ineficiência da gestão privada

Ana Carolina Caldas |
Levantamento da Sentencing Project apontou que funcionários que trabalham em penitenciárias privadas recebem 58 horas a menos de treinamento
Wilson Dias/Reprodução

Em entrevista à Globo News, o governador do Paraná, Ratinho Jr., defendeu privatizar a gestão dos presídios. Ao se referir o modelo de sua preferência, citou o que acontece nos Estados Unidos. Modelo que o próprio o governo americano está voltando atrás. 

Em 2016, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou que as prisões federais privatizadas voltariam para o governo. A subsecretária de Justiça dos EUA, em memorando na época, disse que “as prisões privadas tiveram papel importante durante um período difícil, mas o tempo mostrou que têm desempenho inferior se comparadas às nossas instalações.” E “não oferecem o mesmo nível de serviços correcionais, programas e recursos, não apresentam redução significativa de custos e não mantêm o mesmo nível de segurança e proteção.” 

A decisão do governo dos EUA se deu após a publicação do órgão equivalente ao Ministério da Justiça brasileiro, que analisou 28 unidades prisionais. Entre os dados levantados, classificam-se as prisões privadas como mais perigosas que as públicas, com falhas na fiscalização, maior número de agressões, contrabandos e motins etc. 

Combate a organizações criminosas 

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná, Ricardo Miranda, contrário à proposta de privatização, cita principalmente a importância de profissionais concursados para combater as organizações criminosas. 

“Só quem consegue fazer o real enfrentamento às organizações criminosas hoje são os agentes penitenciários, por serem profissionais concursados, treinados e preparados para a função. Como poderemos assegurar que um trabalhador que pode ser demitido a qualquer momento vá fazer o enfrentamento a líderes de organizações criminosas?”, questiona.

4 de February de 201910:58

Via Brasil de Fato

Hits: 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *