Referência de unidade entre mídias populares, Casa da Democracia faz vaquinha online

BRASIL

Referência de unidade entre mídias populares, Casa da Democracia faz vaquinha online

Outras narrativas

Espaço arrecada fundos para seguir existindo, produzindo conteúdo e resistência da comunicação por Lula Livre

Redação |
Lucélia Santos, artista, foi um dos nomes que passou pelo programa de entrevistas Rede em Democracia que acontece no espaço da Casa
Divulgação

Desde abril deste ano, a Casa da Democracia instalou-se pelas redondezas da Vigília Lula Livre e da cozinha Marielle Franco, no bairro Santa Cândida, em Curitiba, e, agora, para seguir existindo, pede colaboração coletiva na internet. Concretizando-se como um marco na experiência colaborativa em comunicação, nesse tempo o espaço se tornou uma referência de unidade entre as mídias populares e alternativas presentes na Vigília que, há 171 dias, luta pela liberdade de Lula.

Apenas nas duas primeiras semanas da casa, foram 2 mil visitantes, 400 midiativistas cadastrados e 40 mesas de debate no espaço. E, nesses cinco meses, ali  já foram entrevistados nomes como Danny Glover, Lucélia Santos, Vagner Freitas e Sharon Burrow, Emir Sader, Celso Amorim, Gleisi Hoffmann, Orã Figueiredo, Clara Ant, João Pedro Stédile, Lindbergh Farias, entre tantos outros.

“Na verdade é uma trincheira da comunicação popular. Os companheiros estão aqui com poucos recursos e têm feito a cobertura sistemática da vigília, mantendo a chama acesa do companheiro Lula que é mantido na cadeia injustiçado, por culpa do poder judiciário monárquico, atrasado, que não respeita a Constituição e nem a vontade popular”, afirma João Pedro Stédile, da coordenação nacional do MST e da Frente Brasil Popular.

A casa transformou-se em uma espécie de estúdio dos movimentos e organizações populares, que concentra parte da produção da Vigília, seja na forma de registro, documentário e memória; a rede de rádio Lula Livre, transmitida diariamente para todo o país com notícias da Vigília; o programa Democracia em Rede, que realizou mais de 100 entrevistas, transmitidas sempre para 30 páginas via transmissão cruzada, trazendo o debate dos principais nomes que passaram pela Vigília Lula Livre – artistas, lideranças políticas, juristas.

 “A Casa da Democracia foi, ao longo de quatro meses, um dos espaços fundamentais na defesa da liberdade de Lula. Voltada principalmente para a comunicação, criou um programa inédito de entrevistas e debates da esquerda, o Democracia em Rede, gerando uma cultura de resistência, que mudou a cara da região. É hora de reestruturar o projeto da Casa, para seguir na resistência”, afirma Pedro Carrano, do jornal Brasil de Fato e integrante da Vigília Lula Livre.

Regina Cruz, presidenta da CUT-PR, ressalta o valor do espaço e a necessidade de contribuição: “Tem sido uma experiência única e é fundamental mantê-la por ter se tornado uma grande rede da mídia alternativa. Então a gente pede para os companheiros e companheiras fazerem a doação na vaquinha para mantermos nossa Casa da Democracia aberta”.

Novos passos

Além de seguir com a programação cotidiana, agora a Casa também se torna um centro de formação de comunicadores, para que a informação seja propagada para mais gente. ”Cada soma, cada real depositado, faz toda diferença”, afirma Carrano.

Para quem tiver interesse em saber mais e fazer sua doação, é só acessar o link.

24 de setembro de 201812:15

Via Brasil de Fato

Hits: 20

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *