Seis estados da Amazônia estão entre os que mais ameaçam juízes no país, diz CNJ

BRASIL

Seis estados da Amazônia estão entre os que mais ameaçam juízes no país, diz CNJ

Risco

De acordo com o Conselho Nacional , em 2017, foram 110 juízes ameaçados

Radioagência Nacional |
Em Roraima, por exemplo, o número de magistrados ameaçados é de 43 a cada mil
CNJ

Levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça aponta estados da Amazônia entre os que apresentam, proporcionalmente, mais situações de ameaças a juízes.

Alagoas vem em primeiro lugar, mas em seguida estão Roraima, Tocantins, Rondônia, Acre, Pará e Amazonas.

Em Roraima, por exemplo, o número de magistrados ameaçados é de 43 a cada mil. A média nacional é de 6 magistrados ameaçados para cada mil.

De acordo com o CNJ, em 2017, foram 110 juízes ameaçados, 21 a menos que no ano anterior. Ainda assim, os números são preocupantes.

Para a juíza do Trabalho Laura Benda, presidente da Associação Juízes para a Democracia, os altos índices na região Norte do país reforçam a falta de aparato estatal.

Laura Benda também acredita que os números apresentados pelo CNJ podem ser ainda maiores, visto que algumas pequenas ameaças podem nem ser registradas. A juíza acredita que ameaças a magistrados são também ameaças à Democracia.

O Diagnóstico da Segurança Institucional, elaborado pelo Conselho Nacional de Justiça, apresenta algumas medidas para reforçar a segurança a magistrados.

Segundo o conselho, qualquer situação de risco causada pelo exercício da função deverá ser comunicada à polícia judiciária.

Caberá então à Polícia Civil ou Polícia Federal, de acordo com o ramo da Justiça, avaliar a necessidade de proteção pessoal e recomendar ou não a adoção de providências concretas.

Entre as medidas que podem ser adotadas estão: mecanismos de controle de acesso às dependências de um fórum, coletes a prova de balas e, em casos mais extremos, escolta policial.

14 de setembro de 201818:01

Via Brasil de Fato

Hits: 9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *